DIFEBRIL

1000 | Laboratório CIFARMA

Descrição

Princípio ativo: Dipirona,
Ação Terapêutica: Analgésicos

Composição

Cada mL da solução oral/gotas de DIFEBRIL contém: dipirona sódica 500 mg. Excipientes q.s.p. 1 mL
(edetato dissódico, metabissulfito de potássio, propilenoglicol, sacarina sódica e água purificada).
Cada comprimido de DIFEBRIL contém: dipirona sódica 500 mg. Excipientes q.s.p. 1 comprimido
(celulose microcristalina, croscarmelose sódica, álcool etílico, povidona, carmelose, estearato de magnésio e dióxido de silício).

Apresentação

DIFEBRIL comprimidos - Embalagem contendo 100 comprimidos.*
DIFEBRIL solução oral/gotas - Embalagem contendo um frasco gotejador de 10 mL ou 20 mL.**
COMPRIMIDOS: USO ORAL ADULTO.
SOLUÇÃO ORAL / GOTAS: USO ORAL ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 MESES.

Indicações

Analgésico e antipirético.

Dosagem

Comprimidos:adultos e adolescentes acima de 12 anos: 1 a 1 ½ comprimidos até 4 vezes ao dia. De 8 a 11 anos: ½ a 1 comprimido até 4 vezes ao dia. De 5 a 7 anos: ½ comprimido até 4 vezes ao dia. Gotas:adulto e adolescentes acima de 15 anos: de 500mg a 1g em dose única (20 a 40 gotas) ou até dose máxima diária de 4 g (120 gotas/dia). Crianças: a posologia para crianças é determinada pelo peso corporal. Crianças menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 Kg não devem ser tratadas com dipirona sódica, a menos que absolutamente necessário. Neste caso a dose de 1 gota até 3 vezes ao dia não deve ser ultrapassada. De 3 a 11 meses (5 a 8 Kg): 3 a 6 gotas até 4 vezes ao dia. De 1 a 3 anos (9 a 15 Kg): 7 a 12 gotas até 4 vezes ao dia. De 4 a 6 anos (16 a 21Kg): 13 a 16 gotas até 4 vezes ao dia. De 7 a 9 anos (22 a 28 Kg): 18 a 21 gotas até 4 vezes ao dia. De 10 a 12 anos (29 a 40 Kg): 22 a 30 gotas até 4 vezes ao dia. De 13 a 14 anos (41 a 50 Kg): 31 a 37 gotas até 4 vezes ao dia.

Contra-indicações

A dipirona não deve ser administrada a pacientes com intolerância conhecida aos derivados pirazolônicos ou com determinadas doenças metabólicas tais como: porfiria hepática e deficiência congênita de glicose-6-fosfato-desidrogenase. A dipirona não deve ser administrada em altas doses ou por períodos prolongados, sem controle médico.

Reações Adversas

As principais reações adversas da dipirona sódica são conseqüentemente as reações de hipersensibilidade. As mais graves são choque e discrasias sangüíneas (agranulocitose, leucopenia e trompocitopenia). Estas reações são raras, mas apresentam risco de vida e podem ocorrer até mesmo após a dipirona ter sido previamente utilizada em outras ocasiões sem apresentar complicações. As manifestações de agranulocitose, incluem febre alta, frio, garganta dolorida, dificuldade de engolir, lesões inflamatórias na boca, nariz e garganta, como também nas regiões anal e genital. A interrupção imediata provoca aumento da tendência é essencial para a recuperação. A trombocitopenia provoca aumento da tendência a hemorragia com ou sem pequenas na pele ou membranas mucosas. Em situações ocasionais, principalmente em pacientes com histórico de doença renal pré-existente, ou em casos de superdosagem, podem ocorrer distúrbios renais transitórios com redução ou interrupção da produção de urina (oligúria/ anúria), acompanhada de excreção de proteína na urina (proteinúria) e de nefrite intersticial. Outros efeitos indesejáveis, que podem ocorrer incluem reações de hipersensibilidade que afetam a pele, a conjuntiva e mucosa da nasofaringe. Choque: sendo os sinais de advertência o suor frio, tontura, letargia, náusea, mudança na coloração da pele e respiratória rápida. Também pode ocorrer edema facial, prurido, pulsação rápida e sensação de constrição na região cardíaca. Esses sintomas podem ocorrer em seguida ou até uma hora após a injeção. Podem também ser observados ataques de asma em pacientes predispostos a esta condição. Interferências em exames laboratoriais:não existem referências sobre alterações relevantes de exames laboratoriais após a utilização adequada da dipirona.

Interação com outros medicamentos

A dipirona e o álcool podem ter uma influência recíproca nos seus efeitos. No caso de tratamento com ciclosporina pode ocorrer uma diminuição ao nível de ciclosporina. O uso concomitante com clorpromazina, pode levar à hipotermia grave.

Superdose

No caso de ingestão inadequada e de superdose, o auxílio médico é obrigatório. Se o paciente estiver consciente, deve-se induzir ao vômito pela ingestão rápida de ¾ a 1 litro de solução salina morna (1 a 3 colheres de sopa de sal em um copo de água) seguida de estimulação mecânica na parede posterior da faringe (por ex. com o cabo de colher). Ao invés de solução salina, para crianças de 1 a 6 anos deve ser dado suco de frutas morno em quantidade apropriada para a idade. A dipirona sódica pode ser eliminada através de hemodiálise ou hemoperfusão.

Dizeres legais

Reg M.S.: 1.1560.0022.

Indicado para o tratamento de:

Publicidade

iVademecum © 2016 - 2019.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play