Espironolactona

 

Terapias de Ação

Diurético, anti-hipertensivo, anti-hipopotassêmico.
Publicidade

Propriedades

Ambos os efeitos, diurético e anti-hipertensivo, ocorrem pela ação de bloqueio do intercâmbio de sódio por potássio no túbulo distal renal, o que provoca um aumento na secreção de água e sódio e a retenção de potássio. A espironolactona é um inibidor competitivo da aldosterona. É bem absorvida por via oral, com uma biodisponibilidade maior que 90%. Sua união às proteínas é muito alta (90%). Metaboliza-se rapidamente no fígado em canrenona (metabólito ativo eliminado por via renal).

Indicações

Estados edematosos (insuficiência cardíaca congestiva, cirrose hepática e síndrome nefrótica). Coadjuvante no tratamento da hipertensão. Diagnóstico e tratamento a curto e longo prazo do hiperaldosteronismo primário. Prevenção e tratamento da hipopotassemia.

Dosagem

Adultos - Antiedematoso: 25 a 200 mg ao dia em 2 a 4 ingestões durante pelo menos 5 dias; dose de manutenção: 75 a 400 mg/dia em 2 a 4 ingestões. Anti-hipertensivo: 50 a 100 mg em dose única diária em 2 a 4 ingestões durante 2 semanas; manutenção: ajustar a dose segundo as necessidades individuais de cada paciente. Hiperaldosteronismo primário: 100 a 400 mg por dia divididos em 2 a 4 ingestões antes da operação. Agente de diagnóstico: teste longo: 400 mg por dia em 2 a 4 ingestões durante 3 a 4 semanas; teste curto: 400 mg/dia divididos em 2 a 4 ingestões diárias durante 4 dias. Dose máxima: 400 mg/dia. Dose pediátrica - 1 a 3 mg/kg/dia como dose única ou dividido em 2 a 4 ingestões, reajustando a dose após 5 dias.

Reações Adversas

Podem aparecer sinais de hiperpotassemia (arritmias cardíacas), náuseas, vômitos, diarreia e, com menor frequência, ginecomastia (após vários meses de tratamento); torpor, tonturas, falta de energia, cefaleias. Em raras ocasiões: erupção cutânea ou prurido (reação alérgica).

Precauções e Advertências

Evitar a ingestão excessiva de alimentos ricos em potássio, o uso de substitutos do sal e outros suplementos de potássio. Nos idosos pode haver maior risco de desenvolver hiperpotassemia. Doses maiores que 100 mg/dia podem produzir efeitos endócrinos ou antiandrogênicos.

Interações

O uso simultâneo de cloreto de amônia pode produzir acidose sistêmica. O uso de corticoides, ACTH emineralocorticoides pode diminuir os efeitos natriuréticos e diuréticos e reverter o efeito retentor de potássio. Pode diminuir o efeito anti-hipertensivo ao associar estrogênios, AINE ou drogas simpaticomiméticas. A dopamina pode aumentar o efeito diurético. O uso crônico ou excessivo de laxantes pode reduzir as concentrações séricas de potássio e interferir no efeito retentor de potássio.

Contra-indicações

Hiperpotassemia. A relação risco-benefício deverá ser avaliada na presença de anúria ou disfunção renal, diabetes mellitus, nefropatia diabética, disfunção hepática, hiponatremia, distúrbios menstruais, ginecomastia.

Risco na gravidez

Existen pruebas de riesgo para el feto humano. Puede aceptarse el riesgo cuando la prescripción intrínseca es racional, a lo que se agrega en forma coaligada, un problema de salud específico e individual.
Por ejemplo, en situaciones amenazantes o enfermedades graves en las cuales no se pueden prescribir medicamentos más seguros o los que se pueden utilizar resultan ineficaces. Los beneficios pueden hacer al medicamento aceptable a pesar de sus riesgos.
Publicidade

Interações de Espironolactona

Informação não disponível

iVademecum © 2016 - 2022.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play