DORICIN

4442 | Laboratório EMS

Descrição

Princípio ativo: Cafeína,Dipirona sódica,Orfenadrina,
Ação Terapêutica: Analgésicos

Composição

Cada comprimido contém: citrato de orfenadrina 35 mg, dipirona sódica (na forma monoidratada) 300 mg, cafeína 50 mg. excipientes* q.s.p. 1 comp. * (celulose microcristalina, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio). Cada ml (37 gotas) da solução oral contém: citrato de orfenadrina 35 mg, dipirona sódica (na forma monoidratada) 300 mg, cafeína 50 mg, veículo* q.s.p. 1 ml, * (benzoato de sódio, edetato dissódico diidratado, metabissulfito de sódio, ácido clorídrico, água purificada).

Apresentação

Comprimidos: Caixa com 12 e 120 comprimidos.
Solução: Frasco com 10 ml.
Uso Oral
Uso Adulto

Indicações

No alívio da dor associada a contraturas musculares decorrentes de processos traumáticos ou inflamatórios, e em cefaléias tensionais.

Dosagem

Adultos: 1 a 2 comprimidos ou 30 a 60 gotas, 3 a 4 vezes ao dia.
(*) Não ultrapassar este limite.

Contra-indicações

- Gravidez;
- Intolerância a qualquer um dos componentes da fórmula;
- Devido ao fraco efeito anticolinérgico de orfenadrina, não deve ser utilizado em pacientes com glaucoma, obstrução pilórica ou duodenal, acalasia do esôfago, úlcera péptica estenosante, hipertrofia prostática, obstrução do colo vesical ou miastenia grave.
- Devido à presença de dipirona, DORICIN® não deve ser administrado a pacientes com hipersensibilidade aos derivados pirazolônicos, ou com doenças metabólicas como porfiria ou deficiência congênita da glicose 6-fosfato-desidrogenase.

Reações Adversas

A orfenadrina, como todo anticolinérgico, pode produzir bradicardia ou taquicardia, arritmias cardíacas, secura da boca, sede, diminuição da sudorese, midríase, dificuldade de acomodação visual (visão borrada). Em doses tóxicas, podem ocorrer, além dos sintomas mencionados, ataxia, distúrbios da fala, disfalgia, agitação, pele seca e quente, disúria, diminuição dos movimentos peristálticos intestinais, aumento da pressão intraocular, náuseas, vômitos, cefaléia, constipação, tonturas, alucinações, delírio e coma. Pacientes idosos também podem sentir um certo grau de confusão mental.
A dipirona pode produzir distúrbios da crase sangüínea: trombocitopenia, pancitopenia, agranulocitose, anemia hemolítica e metahemoglobinemia, já tendo sido relatados casos de aplasia medular, embora raros. Com maior freqüência em pacientes com história de hipersensibilidade a outras drogas ou substâncias, a dipirona pode produzir o aparecimento de reações alérgicas, síndrome de Stevens-Johnson e eventualmente até anafilaxia (choque). Neste caso, o medicamento (DORICIN®) deve ser suspenso e instituído o tratamento médico adequado.
Em casos de reação anafilática, epinefrina aquosa é a droga de escolha. Pode ser injetada por via endovenosa, lentamente, na dose de 1 ml. Em diluição de 1:10.000 (1 ml de epinefrina a 1:1.000 diluído em 10 ml de soro fisiológico). A seguir, procede-se a corticoterapia, se necessário, e à reposição de volume com expansores do plasma.

Precauções

DORICIN® não deve ser administrado a crianças menores de 12 anos de idade.
A segurança de DORICIN® durante a lactação não está estabelecida.
Em tratamentos prolongados, deve-se controlar o perfil hematológico, com hemogramas freqüentes, e também a função renal do paciente.
Em pacientes com deficiências de protrombina, a dipirona pode agravar a tendência à hemorragia.
Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas. Também devido a orfenadrina, DORICIN® deve ser utilizado com cautela em pacientes com taquicardias, arritmias cardíacas, insuficiência coronariana ou descompensação cardíaca.
DORICIN® não deve ser utilizado concomitantemente com álcool, propoxifeno ou fenotiazínicos.
DORICIN® não deve ser utilizado para o tratamento de rigidez muscular associado ao uso de antipsicóticos.

Interação com outros medicamentos

Confusão, ansiedade e tremores foram relatados em alguns pacientes que receberam orfenadrina concomitantemente com propoxifeno.
Os fenotiazínicos, como a clorpromazina, podem interferir no controle de termorregulação corporal, causando tanto hipotermia como hipertermia. A dipirona pode potencializar eventual hipotermia causada por fenotiazínicos.
Agentes anticolinérgicos, como a orfenadrina, não controlam a discinesia tardia associada ao uso prolongado de antipsicóticos.
Seu uso pode mesmo exacerbar os sintomas de liberação extrapiramidal associados a estas drogas.

Superdose

A orfenadrina é uma droga potencialmente tóxica e há relatos de mortes associadas a superdosagem (ingestão de 2 a 3 g de uma só vez). Efeitos tóxicos, tipicamente anticolinérgicos, podem ocorrer, rapidamente em 2 horas, em intoxicação aguda, como convulsões, arritmias cardíacas e morte. A dipirona como antiinflamatório não-hormonal, em doses tóxicas, pode produzir sintomas centrais excitatórios, além de alterações do equilíbrio ácido-básico, náuseas, vômitos e fenômenos hemorrágicos. A cafeína tem ação estimulante central, podendo acentuar os sintomas excitatórios das duas drogas anteriores.
Em caso de superdosagem aguda de DORICIN®, a absorção do medicamento deve ser reduzida por indução de emêse, lavagem gástrica, administração de carvão ativado ou combinação das três medidas. Deve-se manter o paciente hidratado, sob rigoroso controle do equilíbrio ácido-básico e monitoração das condições respiratórias, cardíacas e neurológicas.
Fisostigmina, na dose de 0,5 a 2 mg por via subcutânea, endovenosa ou intramuscular, repetida a cada 1 ou 2 horas, é o antídoto dos efeitos anticolinérgicos da orfenadrina, quando estes forem muito intensos. Sua utilização deve, entretanto, ser ponderada, pois ela pode produzir vários efeitos cardíacos e respiratórios.
Em caso de superdosagem não-complicada, é mais seguro aguardar a remissão espontânea de toxicidade do anticolinérgico.
PACIENTES IDOSOS
Não existem na literatura relatos sobre advertências ou recomendações do uso adequado de DORICIN® por pacientes idosos.
SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Informação técnica

CARACTERÍSTICA
O citrato de orfenadrina é uma droga anticolinérgica de ação central, com propriedades anti-histamínicas fracas, de utilidade no alívio da dor associada a contraturas musculares de origem traumática ou inflamatória. A orfenadrina não atua diretamente na contratura muscular. Seu mecanismo de ação não está totalmente esclarecido, mas parece dever-se a suas propriedades analgésicas.
Sua ação analgésica é potencializada pela dipirona e pela cafeína, presentes na fórmula de DORICIN®.

Farmacocinética

CARACTERÍSTICA
O citrato de orfenadrina é uma droga anticolinérgica de ação central, com propriedades anti-histamínicas fracas, de utilidade no alívio da dor associada a contraturas musculares de origem traumática ou inflamatória. A orfenadrina não atua diretamente na contratura muscular. Seu mecanismo de ação não está totalmente esclarecido, mas parece dever-se a suas propriedades analgésicas.
Sua ação analgésica é potencializada pela dipirona e pela cafeína, presentes na fórmula de DORICIN®.

Dizeres legais

Registro M.S. n° 1.0235.0072

Indicado para o tratamento de:

Publicidade

iVademecum © 2016 - 2019.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play