Enalapril

 

Terapias de Ação

Anti-hipertensivo. Inibidor da enzima conversora da angiotensina (ECA).
Publicidade

Propriedades

Usado como maleato, é um derivado dos aminoácidos L-alanina e L-prolina. É absorvido de forma rápida e rapidamente hidrolisado em enalaprilato, inibidor da enzima de conversão de angiotensina de ação prolongada.

Indicações

Em todos os graus de hipertensão essencial e na hipertensão vasculorrenal. Pode ser empregado como indicação inicial ou associado com outros agentes anti-hipertensivos, principalmente diuréticos.

Dosagem

Só deve ser administrado por via oral. A dose usual diária varia de 10 a 40 mg em todas as indicações. Pode ser administrado 1 ou 2 vezes ao dia. A dose máxima é de 80 mg/dia. Quando houver insuficiência renal, insuficiência cardíaca congestiva ou o paciente estiver recebendo tratamento com diuréticos, deverá ser administrada uma dose inicial mais baixa. Hipertensão arterial essencial: dose inicial de 5 mg/dia. A dose de manutenção é de 20 mg uma vez ao dia, ajustando-a conforme as necessidades de cada paciente. Em indivíduos com mais de 65 anos, a dose inicial é de 2,5 mg. Hipertensão vasculorrenal: dose inicial de 2,5 a 5 mg, para realizar um ajuste posterior conforme o quadro clínico do paciente. Aqueles que estiverem em tratamento com diuréticos deverão suspendê-lo 2 ou 3 dias antes de iniciar o enalapril; se não for possível, a dose inicial deve ser baixa (2,5 a 5 mg) para determinar o efeito sobre a tensão arterial. Insuficiência cardíaca congestiva: dose inicial de 2,5 a 5 mg através de cuidadoso controle médico. Dose usual de manutenção: 10 a 20 mg diários em dose única ou divididos. Durante o tratamento a pressão arterial e a tensão renal devem ser controladas.

Reações Adversas

Em geral são leves e transitórias. As mais comuns são sensação de instabilidade e cefaleias. Em raras ocasiões, fadiga e astenia, hipotensão ortostática, síncope, náuseas, cãibras musculares e erupção cutânea. Podem ser aumentados os valores séricos de uréia e creatinina, em geral quando é administrado com diuréticos. Em alguns pacientes foram descritos ligeira diminuição da hemoglobina, hematócrito, plaquetas e leucócitos, e aumento das enzimas hepáticas.

Precauções e Advertências

Hipotensão sintomática após a dose inicial ou no curso do tratamento, principalmente em pacientes com insuficiência cardíaca e em tratamento com diuréticos. Nestes casos reduzir a dose ou suspender o tratamento com enalapril de forma transitória. Em pacientes com função renal alterada, foi observado um aumento de creatinina e ureia séricas, reversível com a supressão do tratamento. Pode ocorrer edema angioneurótico no rosto, extremidades, glote, língua ou laringe. Nestes casos o tratamento deve ser suspenso até que desapareça a tumefação. Somente deverá ser empregado durante a gravidez se o benefício justificar o risco potencial para o feto, pois pode produzir hipotensão fetal, baixo peso ao nascer e decréscimo da perfusão renal; portanto, devem ser controlados o fluxo de urina e a tensão arterial do neonato no momento do nascimento.

Interações

Seu efeito é potencializado ao ser administrado com outros anti-hipertensivos. A prescrição junto com propranolol reduz as concentrações séricas de enalaprilato. Não é aconselhável sua utilização junto com suplementos de potássio ou diuréticos retentores de potássio como espironolactona, triantereno ou amilorida, já que pode produzir aumento de potássio sérico.

Contra-indicações

Hipersensibilidade à droga. Estenose unilateral ou bilateral da artéria renal. Gravidez.

Risco na gravidez

Existen efectos secundarios en fetos de animales de experimentación. No hay hasta el momento estudios adecuados en los seres humanos, por lo que se desconocen los riesgos de su utilización en mujeres embarazadas. La terapia medicamentosa sólo es válida cuando el problema de salud indica sin lugar a dudas, la necesidad de su empleo.
Publicidade

Interações de Enalapril

Informação não disponível

iVademecum © 2016 - 2022.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play