CAELYX

4179 | Laboratório JANSSEN-CILAG

Descrição

Princípio ativo: Doxorrubicina,
Ação Terapêutica: Antibióticos oncológicos

Composição

CAELYX®20 mg: Cada frasco-ampola contém 20 mg de cloridrato de doxorrubicina lipossomal peguilado em 10 mL de suspensão injetável. Excipientes: fosfatadilcolina de soja completamente hidrogenada (HSPC), sal sódico n-(carbamoil-metoxipolietilenoglicol 2000)-1,2-diestearoil-sn-glicero-3-fosfoetanolamina (MPEG-DSPE), colesterol, sulfato de amônio, histidina, sacarose, ácido clorídrico, hidróxido de sódio e água para injetáveis.

Apresentação

Suspensão injetável de 20 mg de cloridrato de doxorrubicina lipossomal peguilado em embalagem com 1 frasco-ampola com 10 mL de suspensão injetável (2 mg/mL).
USO INTRAVENOSO
USO ADULTO

Indicações

Câncer de Mama:
CAELYX
® é indicado para o tratamento de:
- Câncer de mama metastático em mulheres com indicação de uso de antraciclina.
- Câncer de mama metastático em mulheres que não responderam a um esquema contendo taxano.
Câncer de Ovário:
CAELYX
® é indicado para o tratamento de câncer de ovário avançado em mulheres com falha na terapia de primeira linha com quimioterapia à base de platina.
Mieloma Múltiplo:
CAELYX
® é indicado em combinação com bortezomibe para o tratamento do mieloma múltiplo progressivo em pacientes que receberam pelo menos uma terapia anterior e que já foram submetidos a transplante de medula óssea, ou seja, inadequados a ele.
Sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida:
CAELYX
® também é indicado para o tratamento do sarcoma de Kaposi (SK) relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida em pacientes com baixa contagem de células CD4 ( < 200 linfócitos CD4/mm3) e doença mucocutânea ou visceral extensa.
CAELYX® pode ser usado como quimioterápico sistêmico de primeira ou de segunda linha em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida com doença que tenha evoluído durante quimioterapia sistêmica combinada prévia, incluindo pelo menos dois dos seguintes agentes: um alcaloide da vinca, bleomicina e doxorrubicina convencional (ou outras antraciclinas) ou em pacientes com intolerância a esses esquemas.

Dosagem

CAELYX® apresenta propriedades farmacocinéticas exclusivas e não deve ser usado de forma intercambiável com outras formulações de cloridrato de doxorrubicina.
CAELYX® deve ser administrado apenas sob supervisão de um profissional qualificado, especializado na administração de agentes citotóxicos.
Câncer de ovário/mama: CAELYX® é administrado por via intravenosa em dose de 50 mg/m2 uma vez a cada 4 semanas enquanto a doença não progredir e a paciente continuar a tolerar o tratamento.
Para doses < 90 mg: diluir CAELYX® em 250 mL de soro glicosado a 5%.
Para doses ? 90 mg: diluir CAELYX® em 500 mL de soro glicosado a 5%.
Para reduzir o risco de reações à infusão, a dose inicial é administrada em velocidade igual ou inferior a 1 mg/minuto. Se não for observada nenhuma reação à infusão, as infusões subsequentes de CAELYX® podem ser administradas ao longo de um período de 60 minutos.
No programa de estudos clínicos do câncer de mama, foi permitida uma modificação da infusão para aquelas pacientes que apresentam uma reação à infusão, da seguinte maneira:
Cinco por cento (5%) da dose total foi infundida lentamente ao longo dos primeiros 15 minutos. Se tolerada sem reação, a velocidade de infusão foi dobrada nos 15 minutos seguintes. Novamente tolerada, a infusão foi completada ao longo da hora seguinte, para um tempo total de infusão de 90 minutos.
Infusões subsequentes de CAELYX® podem ser administradas ao longo de um período de 60 minutos.
Mieloma Múltiplo:CAELYX® é administrado na dose de 30 mg/m2 no dia 4 da terapia de 3 semanas com bortezomibe a uma infusão de 1 hora administrada imediatamente após a infusão de bortezomibe. A terapia com bortezomibe consiste na administração de 1,3 mg/m2 nos dias 1, 4, 8 e 11 a cada 3 semanas. A dose deve ser repetida enquanto os pacientes responderem satisfatoriamente e tolerarem o tratamento.
Para doses < 90 mg: dilua CAELYX® em 250 mL de soro glicosado a 5% (50 mg/mL) para infusão.
Para doses ? 90 mg: dilua CAELYX® em 500 mL de soro glicosado a 5% (50 mg/mL) para infusão.
O cateter e o tubo intravenosos devem ser lavados com soro glicosado a 5% para infusão entre a administração dos 2 medicamentos. A dose do Dia 4 de ambos os medicamentos pode ser adiada por até 48 horas, se clinicamente necessário. As doses de bortezomibe devem ser administradas em intervalos de, no mínimo, 72 horas. A primeira infusão de CAELYX® deve ser administrada durante 90 minutos, conforme segue:
• 10 mL nos primeiros 10 minutos;
• 20 mL nos próximos 10 minutos;
• 40 mL nos próximos 10 minutos;
• então, conclua a infusão durante um total de 90 minutos.
As doses subsequentes de CAELYX® serão administradas durante 1 hora, conforme toleradas. Se ocorrer uma reação à infusão ao CAELYX®, interrompa a infusão. Após os sintomas terem sido resolvidos, tentar administrar o conteúdo remanescente de CAELYX® durante 90 minutos, conforme segue:
• 10 mL nos primeiros 10 minutos;
• 20 mL nos próximos 10 minutos;
• 40 mL nos próximos 10 minutos;
• então, concluir a infusão remanescente durante um total de 90 minutos.
A infusão pode ser administrada através de uma veia periférica ou um acesso central.
Pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida: CAELYX® deve ser administrado por via intravenosa na dose de 20 mg/m2 a cada duas ou três semanas. Os intervalos menores que 10 dias devem ser evitados já que não se pode descartar a possibilidade de acúmulo do fármaco e de toxicidade crescente. Os pacientes devem ser tratados durante dois a três meses para obter uma resposta terapêutica. O tratamento deve continuar de acordo com a necessidade para manter a resposta terapêutica.
CAELYX®, diluído em 250 mL de soro glicosado a 5%, é administrado por infusão intravenosa ao longo de 30 minutos.
Todos os pacientes: se o paciente apresentar sintomas ou sinais iniciais de reação à infusão, interrompa imediatamente a infusão, administre os medicamentos apropriados (anti-histamínicos e/ou corticosteroide de ação imediata) e reinicie em velocidade baixa.
Não se deve administrar CAELYX® na forma de injeção em bolus, nem como solução não diluída. Recomenda-se que a via de infusão de CAELYX® seja conectada através de um equipo em Y como uma infusão intravenosa de soro glicosado a 5% para se obter diluição maior e reduzir ao mínimo o risco de trombose e extravasamento. A infusão pode ser administrada através de uma veia periférica. CAELYX® não deve ser administrado por via intramuscular ou subcutânea. Não use filtros em linha.
Para tratar eventos adversos, como eritrodisestesia palmo-plantar (EPP), estomatite ou toxicidade hematológica, a dose pode ser reduzida ou retardada. Orientações para modificação da dose de CAELYX® secundária a esses efeitos adversos são fornecidas nas tabelas seguintes. A classificação de toxicidade nessas tabelas se baseia no National Cancer Institute Common Toxicity Criteria (NCI-CTC).
As tabelas para eritrodisestesia palmo-plantar (Tabela 2) e estomatite (Tabela 3) oferecem o esquema seguido para modificação de dose em estudos clínicos de tratamento de câncer de mama ou de ovário (modificação do ciclo de tratamento recomendado de 4 semanas). Se essas toxicidades ocorrerem em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida, o ciclo de tratamento recomendado de 2 a 3 semanas pode ser modificado de forma semelhante.
A tabela para toxicidade hematológica (Tabela 4) oferece o esquema seguido para modificação da dose em estudos clínicos de tratamento de pacientes com câncer de mama ou de ovário. A modificação da dose em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida é abordada em "REAÇÕES ADVERSAS".





Para pacientes com mieloma múltiplo tratados com CAELYX® em combinação com bortezomibe que apresentam EPP ou estomatite, a dose de CAELYX® deve ser modificada conforme descrito na Tabela 2 e na Tabela 3 acima, respectivamente. Para informações mais detalhadas sobre a dosagem e os ajustes da dosagem de bortezomibe, consulte a bula do bortezomibe.

Pacientes com função hepática comprometida:a farmacocinética de CAELYX® determinada em pequeno número de pacientes com níveis elevados de bilirrubinas totais não difere daquela de pacientes com bilirrubinas totais normais; no entanto, até que se tenha mais experiência, a dose de CAELYX® em pacientes com função hepática comprometida deve ser reduzida com base na experiência do programa de estudo clínico ovariano e de mama, como se segue: no início da terapia, se a bilirrubina estiver entre 1,2 e 3,0 mg/dL, a primeira dose é reduzida em 25%. Se a bilirrubina for >3,0 mg/dL, a primeira dose é reduzida em 50%. Se o paciente tolerar a primeira dose sem aumento de bilirrubina sérica ou enzimas hepáticas, a dose para o ciclo 2 pode ser aumentada até o nível de dose seguinte, isto é, se reduzida em 25% para a primeira dose, aumente para dose plena para o ciclo 2; se reduzida em 50% para a primeira dose, aumente para 75% da dose plena para o ciclo 2. A dose pode ser aumentada até a dose plena para ciclos subsequentes, se tolerada. CAELYX® pode ser administrado a pacientes com metástases hepáticas e elevação concomitante de bilirrubinas e enzimas hepáticas até 4 vezes o limite superior dointervalo normal. Antes da administração de CAELYX®, avalie a função hepática usando os exames laboratoriais clínicos convencionais, como ALT/AST, fosfatase alcalina e bilirrubinas.
Pacientes com função renal comprometida:como a doxorrubicina é metabolizada pelo fígado e excretada na bile, não deve ser necessária modificação de dose de CAELYX®. A análise com base populacional confirma que alterações da função renal no intervalo testado (depuração de creatinina estimada de 30 a 156 mL/min) não alteram a farmacocinética de CAELYX®. Nenhum dado farmacocinético está disponível em pacientes com depuração de creatinina abaixo de 30 mL/min.
Pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida e esplenectomizados:como não se tem experiência com CAELYX® em pacientes esplenectomizados, não se recomenda a sua administração.
Pacientes pediátricos:dados limitados de segurança de estudos fase I indicam que doses de até 60 mg/m2 a cada 4 semanas são bem toleradas em pacientes pediátricos; no entanto, a eficácia em pacientes abaixo dos 18 anos de idade não foi estabelecida.
Pacientes idosos:A análise com base populacional demonstra que a idade no intervalo testado (21 a 75 anos) não altera significativamente a farmacocinética de CAELYX®.
Instruções para uso e manipulação
NÃO USAR MATERIAL COM EVIDÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO OU PRESENÇA DE QUALQUER OUTRO TIPO DE PARTÍCULAS.
Deve-se proceder com cuidado quando se manipula a solução de CAELYX®. É necessário usar luvas. Se CAELYX® entrar em contato com a pele ou as mucosas, deve-se lavar imediata e minuciosamente com água e sabonete. CAELYX® deve ser manipulado e descartado de forma semelhante à utilizada para outros medicamentos contra o câncer.
Determinar a dose de CAELYX® que vai ser administrada (com base na dose recomendada e na superfície corporal do paciente). Colocar o volume apropriado de CAELYX® em uma seringa estéril. Deve ser observada técnica estritamente asséptica, já que CAELYX® não contém conservantes nem agentes bacteriostáticos.
A dose apropriada de CAELYX® deve ser diluída em soro glicosado a 5% antes da administração. Para doses < 90 mg, dilua CAELYX® em 250 mL e para doses ? 90 mg, dilua CAELYX® em 500 mL de soro glicosado a 5%.
O uso de qualquer diluente, exceto o soro glicosado 5% para infusão, ou a presença de qualquer agente bacteriostático, como álcool benzílico, por exemplo, pode provocar a precipitação de CAELYX®.
Recomenda-se que o equipo de infusão de CAELYX® seja conectado através de equipo em Y a um frasco com infusão intravenosa de soro glicosado a 5%. A infusão pode ser administrada através de veia periférica. Não use filtros em linha.
Incompatibilidades:
NÃO MISTURE CAELYX® COM OUTROS MEDICAMENTOS.

Contra-indicações

Este medicamento é contraindicado para uso por:
- pacientes com histórico de reação de hipersensibilidade ao cloridrato de doxorrubicina ou a qualquer um de seus componentes. CAELYX® não deve ser administrado durante a amamentação.
- pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida que podem ser tratados de forma eficaz com terapia local ou com alfainterferona sistêmica.

Reações Adversas

Pacientes com câncer de mama:254 pacientes com câncer de mama avançado que não tinham recebido quimioterapia anterior para doença metastática foram tratadas com CAELYX®, em uma dose de 50 mg/m2 a cada 4 semanas, em um estudo clínico fase III (I97-328). Os efeitos adversos relacionados ao tratamento mais frequentemente relatados incluíram eritrodisestesia palmo-plantar (EPP) (48,0%) e náuseas (37,0%) (ver Tabela 6). Esses efeitos foram, na maioria das vezes, leves e reversíveis, com casos graves (Grau III) relatados em 17,0% e 3,0%, respectivamente, e sem incidências relatadas de casos com risco de morte (Grau IV) para EPP ou náuseas. Esses efeitos raramente resultaram em descontinuidade permanente do tratamento (7,0% e 0%, respectivamente). Uma alopécia acentuada ou total foi observada em apenas 7,0% dos pacientes tratados com CAELYX®, em comparação com 54,0% dos pacientes tratados com a doxorrubicina.
Os efeitos adversos hematológicos foram raramente relatados e foram, na maior parte, de gravidade leve ou moderada e controlável. Anemia, neutropenia, leucopenia e trombocitopenia foram raramente relatadas em incidências de 5,0%, 4,0%, 2,0% e 1,0%, respectivamente. Efeitos hematológicos com risco de morte (Grau IV) foram relatados em incidências < 1,0%. A necessidade de suporte de fator de crescimento ou de suporte transfusional foi mínima (5,1% e 5,5% dos pacientes, respectivamente).
As anormalidades laboratoriais clinicamente significativas (Graus III e IV) nesse grupo do câncer de mama incluíram aumentos nas bilirrubinas totais (2,4%) e em AST (1,6%). Os aumentos em ALT foram menos frequentes ( < 1%). Medições hematológicas clinicamente significativas foram raras, conforme medições de leucopenia (4,3%), anemia (3,9%), neutropenia (1,6%) e trombocitopenia (1,2%). Sepse foi relatada em uma incidência de 1%. Não houve relatos de aumentos clinicamente significativos na creatinina sérica.
Em 150 pacientes com câncer de mama avançado que não tinham respondido a uma quimioterapia anterior de primeira ou segunda linha contendo taxano e que foram subsequentemente tratadas com CAELYX® em uma dose de 50 mg/m2 a cada 4 semanas em um estudo clínico fase III (C/I96-352), o perfil de segurança foi compatível com o relatado para o CAELYX® em estudos anteriores que utilizaram o mesmo esquema de dosagem (ver Tabela 6). A proporção de pacientes que apresentaram anormalidades laboratoriais clinicamente significativas foi baixa e numericamente comparável à de 254 pacientes com câncer de mama que receberam CAELYX® como terapia de primeira linha, com exceção da leucopenia (20%).

Os efeitos indesejáveis relatados entre 1% e < 5% dos 404 pacientes com câncer de mama tratados com CAELYX®, não anteriormente relatados nos estudos clínicos de CAELYX®, foram dor torácica, câimbras nas pernas, edema, edema na perna, neuropatia periférica, dor na boca, arritmia do ventrículo, foliculite, dor óssea, dor musculoesquelética, trombocitemia, ulcerações labiais (não-herpéticas), infecção fúngica, epistaxe, infecção do trato respiratório superior, erupção bolhosa, dermatite, erupção cutânea eritematosa, transtorno ungueal, pele escamosa, lacrimejamento e visão turva.
Pacientes com câncer de ovário: um total de 512 pacientes com câncer de ovário (um subgrupo de 876 pacientes com tumores sólidos) foi tratado com CAELYX® na dose de 50 mg/m2 a cada 4 semanas nos estudos clínicos. Os eventos adversos relacionados ao tratamento mais frequentemente relatados foram eritrodisestesia palmo-plantar (EPP) (46,1%) e estomatite (38,9%) (ver Tabela 7). Esses efeitos foram principalmente leves, com casos graves (Grau III) relatados em 19,5% e 8,0%, respectivamente, e casos com risco de morte (Grau IV) relatados em 0,6% e 0,8%, respectivamente. Esses resultados raramente levaram a uma descontinuidade permanente do tratamento ( < 5% e < 1%, respectivamente).

A mielossupressão foi principalmente de leve a moderada e passível de tratamento. A leucopenia foi o efeito adverso hematológico mais frequentemente relatado, seguido por anemia, neutropenia e trombocitopenia. Efeitos hematológicos com risco de morte (Grau IV) foram relatados em uma incidência de 1,6%, 0,4%, 2,9% e 0,2%, respectivamente. Raramente foi necessário suporte com fator de crescimento ( < 5%) e a transfusão foi necessária em aproximadamente 15% das pacientes.
Outros efeitos indesejáveis descritos com menor frequência (1 a 5%) incluíram edema periférico, monilíase oral, vasodilatação, ulceração na boca, prurido, reação alérgica, desidratação, dispneia, erupção vésico-bolhosa, calafrios, infecção, perda de peso, esofagite, afecção de pele, dermatite esfoliativa, distúrbio cardiovascular, dor torácica, tontura, erupção maculopapular, gastrite, mialgia, dor nas costas, depressão, insônia, disfagia, aumento da tosse, sudorese, náuseas e vômitos, mal-estar, alteração do paladar, infecção do trato urinário, conjuntivite, acne, gengivite, herpes zoster, anemia hipocrômica, ansiedade, vaginite, dor de cabeça, flatulência, boca seca, caquexia, neuropatia, hipertonia, úlcera na pele e disúria.
No subgrupo de 410 pacientes com câncer de ovário, alterações laboratoriais clinicamente significativas em estudos clínicos com CAELYX® incluíram aumentos da bilirrubina total (geralmente em pacientes com metástases hepáticas) (5%) e dos níveis séricos de creatinina (5%). Medidas clinicamente significativas, como neutropenia (11,4%), anemia (5,7%) e trombocitopenia (1,2%) Graus III e IV, foram baixas. Elevações de AST foram descritas com menor frequência ( < 1%). Sepse relacionada à leucopenia foi observada raramente ( < 1%).
Pacientes com tumores sólidos:Em um estudo maior de 929 pacientes com tumores sólidos (incluindo câncer de mama e de ovário), predominantemente tratados com uma dose de 50 mg/m2 a cada 4 semanas, o perfil de segurança e a incidência de efeitos adversos foram comparáveis àqueles de pacientes tratados em estudos clínicos pivotais de câncer de mama e de ovário.
Pacientes com mieloma múltiplo:Em um estudo clínico fase III com 646 pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos uma terapia anterior, 318 pacientes foram tratados com a terapia combinada de CAELYX® 30 mg/m2 administrado por infusão intravenosa por uma hora no dia 4 (D4) acompanhado da administração de bortezomibe na dose de 1,3 mg/m2 nos dias 1, 4, 8 e 11 a cada três semanas ou bortezomibe em monoterapia. Ver Tabela 8 para os efeitos adversos relatados em ? 5% dos pacientes tratados com a terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe.
Neutropenia, trombocitopenia e anemia foram os eventos hematológicos mais frequentemente relatados com a terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe e com a monoterapia com bortezomibe. A incidência de neutropenia de grau 3 e 4 foi maior no grupo da terapia combinada do que no grupo da monoterapia (28% vs.14%). A incidência de trombocitopenia de graus 3 e 4 foi maior no grupo da terapia combinada do que no grupo da monoterapia (22% vs.14%). A incidência de anemia foi similar em ambos os grupos de tratamento (7% vs.5%).
A estomatite foi mais frequentemente relatada no grupo da terapia combinada (16%) do que no grupo da monoterapia (3%), e a maioria dos casos foi de gravidade grau 2 ou menor. Estomatite de grau 3 foi reportado em 2% dos pacientes no grupo da terapia combinada. Nenhuma estomatite de grau 4 foi reportada.
Náuseas e vômitos foram mais frequentemente reportados no grupo da terapia combinada (40% e 28%) do que no grupo da monoterapia (32% e 15%) e foram na sua maioria de gravidade grau 1 e 2.
A descontinuidade do tratamento de um ou de ambos os fármacos devido a eventos adversos foi observada em 38% dos pacientes. Os eventos adversos comuns que levaram à descontinuidade do tratamento do bortezomibe e CAELYX® incluíram EPP, neuralgia, neuropatia periférica, neuropatia sensorial periférica, trombocitopenia, diminuição da fração de ejeção e fadiga.

Pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida:os estudos clínicos abertos e controlados, realizados em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida tratados com dose de 20 mg/m2 de CAELYX®cada 2 a 3 semanas, demonstram que o efeito colateral mais frequente e considerado relacionado ao CAELYX®foi a mielossupressão, que ocorreu em aproximadamente metade dos pacientes.
A leucopenia é o efeito indesejável mais frequente dessa população tratada com CAELYX®, podendo-se também esperar neutropenia, anemia e trombocitopenia. Esses efeitos podem ocorrer no início do tratamento. A toxicidade hematológica talvez exija uma redução da dose ou que se suspenda ou adie o tratamento. A administração de CAELYX®deverá ser suspensa temporariamente quando o número absoluto de neutrófilos for < 1.000/mm3 e/ou o número de plaquetas for < 50.000/mm3. O G-CSF (ou GM-CSF) pode ser administrado como tratamento concomitante para auxiliar a recuperação do hemograma quando o número absoluto de neutrófilos for < 1.000/mm3 nos ciclos seguintes. A toxicidade hematológica para pacientes com câncer de ovário é menos grave do que no grupo com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida (ver seção anterior "Pacientes com câncer de ovário").
Outros efeitos colaterais observados com frequência (? 5%) foram náuseas, astenia, alopécia, febre, diarreia, reações agudas associadas com a infusão e estomatite.
Nos estudos clínicos realizados com CAELYX®, foram observados frequentemente (? 5%) efeitos adversos respiratórios, que talvez se relacionem com infecções oportunistas na população com síndrome da imunodeficiência adquirida. As infecções oportunistas são observadas em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida depois da administração de CAELYX®e com frequência em pacientes com imunodeficiência induzida pelo HIV. As infecções oportunistas observadas com maior frequência nos estudos clínicos foram candidíase, citomegalovirose, herpes simples, pneumonia por Pneumocystis cariniie complexo Mycobacterium avium.
Outros efeitos secundários observados com menor frequência ( < 5%) incluíram eritrodisestesia palmo-plantar, monilíase oral, náuseas e vômitos, perda de peso, erupção cutânea, ulcerações na boca, dispneia, dor abdominal, reação de hipersensibilidade incluindo reações anafiláticas, vasodilatação, tontura, anorexia, glossite, constipação, parestesias, retinite e confusão mental.
Alterações laboratoriais clinicamente significativas ocorreram frequentemente (? 5%) em estudos clínicos com CAELYX®. Elas incluíram elevações de fosfatase alcalina e elevações em AST e bilirrubina que se acredita sejam relacionadas à doença e não ao CAELYX®. A redução da hemoglobina e das plaquetas foi descrita menos frequentemente ( < 5%). Sepse relacionada à leucopenia foi observada raramente ( < 1%). Algumas dessas anormalidades podem ter sido relacionadas à infecção por HIV e não ao CAELYX®.
Todos os pacientes: em 100 de 929 pacientes (10,8%) com tumores sólidos foi descrita reação associada à infusão durante o tratamento com CAELYX®definida pelos seguintes termos: reação alérgica, reação anafilactoide, asma, edema de face, hipotensão, vasodilatação, urticária, dor nas costas, dor torácica, calafrios, febre, hipertensão, taquicardia, dispepsia, náuseas, tontura, dispneia, faringite, erupção cutânea, prurido, sudorese, reação no local da injeção e interação medicamentosa. Os índices de descontinuidade permanente do tratamento foram raramente relatados em 2%. Uma incidência semelhante de reações à infusão (12,4%) foi observada nos estudos clínicos pivotais de câncer de mama. O índice de descontinuidade permanente do tratamento também foi semelhante em 1,5%. Em pacientes com mieloma múltiplo em tratamento com CAELYX®mais bortezomibe, reações relacionadas à infusão foram relatadas em 3%. Em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida, as reações associadas com a infusão se caracterizaram por rubor, falta de ar, edema facial, cefaleia, calafrios, dor nas costas, aperto no peito ou na garganta e/ou hipotensão, e podem ser esperadas na incidência de 5% a 10%. Muito raramente, foram observadas convulsões em relação às reações de infusão. Em todos os casos, os efeitos colaterais ocorreram durante o primeiro ciclo de tratamento. A suspensão temporária da infusão resolve essas reações sem o uso de qualquer tratamento sintomático. Em praticamente todos os pacientes, o tratamento com CAELYX®pode ser reiniciado depois da resolução de todos os sintomas, sem recorrência. As reações à infusão raramente ocorrem novamente depois do primeiro ciclo de tratamento com CAELYX®.
Mielossupressão associada com anemia, trombocitopenia, leucopenia e raramente neutropenia febril foram relatadas em pacientes tratados com CAELYX®.
Em pacientes que receberam infusões contínuas de cloridrato de doxorrubicina convencional, foi descrita estomatite, que também apareceu com frequência nos pacientes que receberam CAELYX®. Esse distúrbio não impediu que os pacientes completassem o tratamento e, em geral, não exigiu ajustes de posologia, a não ser que a estomatite afetasse a capacidade de ingestão de alimentos pelo paciente. Nesse caso, os intervalos entre as doses podem ser prolongados em 1 a 2 semanas, ou deve-se reduzir a dose.
A eritrodisestesia palmo-plantar se caracteriza por erupções cutâneas dolorosas com eritema macular. Os pacientes que apresentam essa afecção geralmente passam a tê-la depois de dois ou três ciclos de tratamento. Na maioria dos casos, ela desaparece em uma ou duas semanas, com ou sem tratamento com corticosteroides. Piridoxina na dose de 50 a 150 mg por dia é usada para profilaxia e para tratamento de eritrodisestesia palmo-plantar. Outras estratégias para evitar e tratar essa afecção podem ser iniciadas de 4 a 7 dias depois do tratamento com CAELYX®e incluem manter frios as mãos e os pés pela exposição à água fria (compressas, banhos ou natação), evitar calor e água quente em excesso e mantê-los descobertos (sem meias, luvas ou sapatos apertados). A eritrodisestesia palmo-plantar parece estar relacionada à dose e ao esquema posológico e pode ser reduzida se ampliando o intervalo de administração em 1 a 2 semanas ou se reduzindo a dose. No entanto, a reação pode ser grave e debilitante em alguns pacientes e pode ser necessário suspender o tratamento.
Uma incidência aumentada de insuficiência cardíaca congestiva está associada à terapia com doxorrubicina em doses cumulativas >450 mg/m2 ou em doses menores para pacientes com fatores de risco cardíaco. Biópsias endomiocárdicas em nove dentre dez pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida que receberam doses cumulativas da CAELYX®maiores que 460 mg/m2 não indicam quaisquer evidências de miocardiopatia induzida por antraciclina. A dose de CAELYX®recomendada para pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida é de 20 mg/m2 a cada duas a três semanas. A dose cumulativa em que a cardiotoxicidade se tornaria um motivo de preocupação para esses pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida ( >400 mg/m2) exigiria mais de 20 ciclos de terapia com CAELYX®durante 40 a 60 semanas.
Além disso, foram realizadas biópsias endomiocárdicas em 8 pacientes com tumor sólido com doses cumulativas de antraciclina de 509 mg/m2 a 1.680 mg/m2. A variação da pontuação de cardiotoxicidade de Billingham foi de graus 0 a 1,5. Esses critérios de classificação são compatíveis com toxicidade cardíaca ausente ou leve.
No estudo clínico pivotal fase III de câncer de mama comparando CAELYX®(50 mg/m2 a cada 4 semanas) com doxorrubicina (60 mg/m2 a cada 3 semanas), 10 de 254 pacientes randomizados para receber CAELYX®versus 48 de 255 pacientes randomizados para receber doxorrubicina satisfizeram os critérios definidos pelo protocolo para toxicidade cardíaca durante o tratamento e/ou acompanhamento. A toxicidade cardíaca foi definida como uma redução de 20 pontos percentuais ou mais em relação ao valor basal se a fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) em repouso tiver permanecido na faixa normal, ou uma redução de 10 pontos percentuais ou mais, se a FEVE tiver se tornado anormal (abaixo do limite inferior da normalidade). O risco de desenvolvimento de um evento cardíaco em função do acúmulo da dose de antraciclina foi significativamente menor com CAELYX®quando comparado à doxorrubicina (RR[doxorrubicina/CAELYX®]= 3,16, p < 0,001).
Os pacientes foram avaliados também quanto aos sinais e sintomas de insuficiência cardíaca congestiva (ICC). Nenhum dos 10 pacientes do grupo do CAELYX®que apresentavam toxicidade cardíaca segundo os critérios de FEVE desenvolveu sinais e sintomas de ICC. Por outro lado, 10 dos 48 pacientes do grupo da doxorrubicina que apresentavam toxicidade cardíaca pelos critérios FEVE também desenvolveram sinais e sintomas de ICC.
Em pacientes com tumores sólidos, incluindo um subgrupo de pacientes com câncer de ovário e de mama tratados com dose de 50 mg/m2 por ciclo com doses cumulativas de até 1.539 mg/m2, a incidência de disfunção cardíaca clinicamente significativa foi baixa. Dos 929 pacientes tratados com 50 mg/m2 por ciclo de CAELYX®, a medida inicial da fração de ejeção de ventrículo esquerdo (FEVE) e, pelo menos, uma medida de seguimento foram conduzidas em 418 pacientes e avaliadas pelo mapeamento MUGA. Desses 418 pacientes, 88 tinham uma dose cumulativa de antraciclina >400 mg/m2, um nível de exposição associada a um risco aumentado de toxicidade cardiovascular com a formulação convencional de doxorrubicina. Apenas 13 desses 88 pacientes (15%) apresentaram pelo menos uma alteração clinicamente significativa de FEVE, definida como um valor de FEVE menor do que 45% ou uma redução de, pelo menos, 20% a partir do valor basal. Além disso, somente 1 paciente (que recebeu uma dose cumulativa de 944 mg/m2) interrompeu o tratamento em estudo por causa de sintomas clínicos de insuficiência cardíaca congestiva.
Embora necrose local tenha sido observada muito raramente após o extravasamento, deve-se considerar que CAELYX®é um agente irritante. Os estudos em animais indicam que a administração de cloridrato de doxorrubicina como fórmula lipossomal reduz o potencial de ocorrência de uma lesão por extravasamento. Se ocorrerem sinais ou sintomas de extravasamento (como queimação e eritema), a infusão deve ser imediatamente suspensa e se deve prosseguir usando outra veia. A aplicação de gelo sobre o local de extravasamento durante aproximadamente 30 minutos talvez seja útil para aliviar a reação local. CAELYX®não deve ser administrada por via intramuscular ou subcutânea.
Com a administração de CAELYX®, raramente ocorreu um reaparecimento de reação cutânea provocada por radioterapia anterior.
Após a colocação de CAELYX®no mercado, condições graves na pele, incluindo eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica, foram muito raramente relatadas.
Pacientes com câncer possuem risco aumentado para doença tromboembólica. Em pacientes tratados com CAELYX®, casos de tromboflebite e trombose venosa foram raramente relatados, assim como raros foram os casos de embolismo pulmonar.
Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, notifique os eventos adversos pelo Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Precauções

Risco cardíaco:todos os pacientes em terapia com CAELYX® devem ser monitorados rotineiramente com ECGs frequentes. As alterações transitórias do ECG, como nivelamento da onda T, depressão do segmento S-T e arritmias benignas, não são consideradas alterações que obrigatoriamente levam à suspensão do tratamento. No entanto, uma redução do complexo QRS é considerada uma indicação de toxicidade cardíaca. Se essa alteração ocorrer, deverá ser considerado um exame mais definitivo para lesão miocárdica por antraciclina, ou seja, uma biópsia do endomiocárdio.
Os métodos mais específicos para avaliação e monitoração de funções cardíacas, em comparação com o ECG, são uma medição da fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE) por ecocardiografia ou, preferivelmente, por angiografia de múltiplas entradas (MUGA - prova para aferir função cardíaca). Esses métodos devem ser utilizados rotineiramente antes de se iniciar o tratamento com CAELYX® e devem ser repetidos periodicamente durante o mesmo.
Em um estudo clínico fase III que comparou CAELYX® (50 mg/m2 a cada 4 semanas) versus doxorrubicina (60 mg/m2 a cada 3 semanas), o risco de desenvolvimento de um evento cardíaco como uma consequência da dose cumulativa da antraciclina foi significativamente menor com CAELYX® quando comparado a doxorrubicina (RR[doxorrubicina/CAELYX®]=3,16; p < 0,001). Nas doses cumulativas entre 450 mg/m2 e 600 mg/m2, não houve risco aumentado de toxicidade cardíaca com CAELYX®. A avaliação da função do ventrículo esquerdo é considerada obrigatória antes de cada administração adicional de CAELYX® que exceda uma dose cumulativa de antraciclina de 600 mg/m2 durante toda a vida, em pacientes sem exposição anterior à antraciclina. Para pacientes que receberam antraciclinas adjuvantes anteriores (epirrubicina ou doxorrubicina) as avaliações de fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) devem ser realizadas antes de cada administração adicional de CAELYX® que exceda uma dose cumulativa de 450 mg/m2 de antraciclina, equivalente à doxorrubicina, durante toda a vida.
Os testes de avaliação e os métodos mencionados acima em relação à monitoração do desempenho cardíaco durante o tratamento com antraciclina devem ser empregados na seguinte ordem: monitoração do ECG, medições da fração de ejeção ventricular esquerda e biópsia do endomiocárdio. Se um resultado de exame indicar possibilidade de uma lesão cardíaca associada ao tratamento com CAELYX®, deverá ser considerado cuidadosamente o benefício de se continuar o tratamento em relação ao risco de provocar lesão do miocárdio.
Os pacientes com histórico de doença cardiovascular devem receber CAELYX® apenas quando o benefício for maior do que o risco para o paciente.
Deve-se agir com cautela em pacientes com comprometimento da função cardíaca que recebem CAELYX®.
Quando houver suspeita de uma cardiomiopatia, ou seja, a fração de ejeção ventricular esquerda estiver substancialmente diminuída em relação aos valores do pré-tratamento e/ou a fração de ejeção ventricular esquerda for menor que os valores relevantes no prognóstico ( < 45%), uma biópsia do endomiocárdio deve ser considerada e o benefício de se continuar a terapia deve ser cuidadosamente avaliado em relação ao risco de desenvolvimento irreversível de dano cardíaco.
Insuficiência cardíaca congestiva devido a cardiomiopatia pode ocorrer repentinamente sem mudanças anteriores no ECG e também pode ocorrer várias semanas após a descontinuação da terapia.
Deve-se agir com cautela em pacientes que tenham recebido outras antraciclinas. A dose total de cloridrato de doxorrubicina também deve levar em conta qualquer tratamento anterior (ou concomitante) com compostos cardiotóxicos como outras antraciclinas/antraquinonas ou, por exemplo, o 5-fluoruracila. A toxicidade cardíaca também pode ocorrer em doses cumulativas de antraciclina menores do que 450 mg/m2 em pacientes com irradiação prévia do mediastino ou nos que receberam terapia concomitante com ciclofosfamida.
O perfil de segurança cardíaca para o esquema de administração recomendado tanto para câncer de mama quanto para câncer de ovário (50 mg/m2) é semelhante ao perfil em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida com 20 mg/m2.
Mielossupressão:muitos pacientes tratados com CAELYX® apresentam mielossupressão basal decorrente de fatores como doença provocada pelo HIV preexistente, ou administração prévia ou concomitante de vários medicamentos ou tumores comprometendo a medula óssea. No estudo pivotal em pacientes com câncer de ovário tratadas com dose de 50 mg/m2, a mielossupressão foi geralmente de leve a moderada, reversível e não foi associada a episódios de infecção neutropênica ou sepse. Além disso, em estudo clínico controlado de CAELYX® vs. topotecana, a incidência de sepse relacionada ao tratamento foi substancialmente menor em pacientes com câncer de ovário tratadas com CAELYX® em comparação com o grupo de tratamento que recebeu topotecana. Uma incidência baixa semelhante de mielossupressão foi observada em pacientes com câncer de mama metastático que receberam CAELYX® em um estudo clínico de primeira linha. Diferentemente da experiência em pacientes com câncer de mama ou câncer de ovário, a mielossupressão parece ser o efeito adverso limitante da dose em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida. Devido ao potencial de supressão da medula óssea, devem ser realizados hemogramas periódicos no decorrer do tratamento com CAELYX® e, no mínimo, antes da administração de cada dose de CAELYX®.
A mielossupressão grave e persistente, embora não observada em pacientes com câncer de mama ou de ovário, pode resultar em infecções graves ou hemorragias.
Em um estudo clínico pivotal de mieloma múltiplo, foi observada uma alta incidência de sangramento em pacientes recebendo DLP + bortezomibe comparado com os pacientes recebendo bortezomibe isolado. Nesses casos, o médico deve avaliar criteriosamente a relação risco-benefício nas populações com histórico de sangramento espontâneo, distúrbios idiossincrásicos e pacientes com potencial para sangramento ou que irão se submeter a algum procedimento cirúrgico.
Dada a diferença entre os perfis farmacocinéticos e os esquemas de administração, CAELYX® não pode ser usado de forma intercambiável com outras formulações de cloridrato de doxorrubicina.
A associação de quimioterapias com CAELYX® foi extensamente estudada em populações com tumores sólidos. CAELYX® foi administrado concomitantemente com segurança nas doses convencionais dos agentes quimioterápicos que são frequentemente empregados no tratamento de câncer de mama ou de ovário avançado; entretanto, não foi estabelecida a eficácia desses esquemas de associação.
Pacientes diabéticos:deve-se notar que cada frasco de CAELYX® contém sacarose e que é administrado em soro glicosado a 5% para infusão intravenosa.
Reações associadas com a infusão:reações de infusão grave e, às vezes com risco de morte, caracterizadas como reações alérgicas ou anafilactoides, com sintomas que incluem asma, rubor, urticária, dor torácica, febre, hipertensão, taquicardia, prurido, sudorese, falta de ar, edema facial, calafrios, dor lombar, aperto no peito e garganta e/ou hipotensão podem ocorrer dentro de minutos do início da infusão de CAELYX®. Muito raramente, foram observadas convulsões em relação às reações de infusão. Uma suspensão temporária da infusão geralmente resolve esses sintomas sem a necessidade de uma terapia adicional. No entanto, medicamentos para tratar esses sintomas (por exemplo, anti-histamínicos, corticosteroides e adrenalina), assim como equipamento de emergência, devem estar disponíveis para uso imediato. Na maioria dos pacientes, o tratamento pode ser recomeçado após a resolução dos sintomas, sem recorrência. Reações de infusão raramente se repetem após o primeiro ciclo de tratamento. Para minimizar o risco das reações de infusão, a dose inicial deve ser administrada a uma velocidade não superior a 1 mg/minuto.
Para eventos adversos comuns que requerem modificação da dose ou descontinuidade do tratamento em pacientes com mieloma múltiplo, ver "REAÇÕES ADVERSAS".
Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas: embora CAELYX® não deva afetar o desempenho para dirigir veículos automotores, em estudos realizados até hoje, raramente ( < 5%) a administração de CAELYX® esteve associada a tonturas e sonolência. Os pacientes que apresentarem esses efeitos devem evitar dirigir veículos e operar máquinas.
Gravidez (Categoria D) e lactação: CAELYX® é embriotóxico em ratos e embriotóxico e abortivo em coelhos. Não se pode descartar a possibilidade de teratogenicidade. Não existe experiência com CAELYX® em gestantes e, por isso, a administração de CAELYX® em gestantes não é recomendada. Mulheres com potencial para engravidar devem ser orientadas a evitar a gravidez enquanto elas ou seus parceiros estiverem recebendo CAELYX® e por seis meses depois de sua interrupção.
Não se sabe se esse medicamento é excretado no leite humano, razão pela qual, devido ao potencial de efeitos adversos graves nos lactentes por causa de CAELYX®, as mães devem suspender o aleitamento antes de receber esse agente. Especialistas em saúde recomendam que mulheres infectadas pelo HIV não amamentem seus filhos em nenhuma hipótese para evitar a transmissão do HIV.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.
Atenção: Este medicamento contém Açúcar, portanto, deve ser usado com cautela em portadores de Diabetes.

Resultados de eficácia

Câncer de Mama1-4:Um estudo randomizado fase III do CAELYX® versus cloridrato de doxorrubicina em pacientes com câncer de mama metastático foi concluído em 509 pacientes. O objetivo especificado pelo protocolo de demonstrar a não-inferioridade entre CAELYX® e a doxorrubicina foi atingido: a razão de risco (RR) para a sobrevida livre de progressão (SLP) foi de 1,00 (IC de 95% para RR=0,82 a 1,22). A razão de risco do tratamento para a sobrevida livre de progressão quando ajustada para as variáveis prognósticas foi compatível com a SLP para a população com intenção de tratamento (IT).
Trezentas e uma pacientes com câncer de mama avançado que não responderam a um esquema contendo taxano foram randomizadas em um estudo comparativo fase III de CAELYX® versus um esquema de resgate aprovado (vinorelbina ou mitomicina C + vimblastina). A SLP foi semelhante para o CAELYX® e para o comparativo ativo, com uma forte tendência a favor do CAELYX® (RR=1,26; IC de 95% de 0,98 a 1,62; p=0,11). Em todos os subgrupos analisados, inclusive daquelas pacientes ? 55 anos de idade (n=166), houve um efeito terapêutico compatível com a SLP a favor de CAELYX® em relação ao comparativo ativo (todas as razões de risco foram >1,00).
Câncer de Ovário5-7: Um estudo comparativo de fase III de CAELYX® versus topotecana em pacientes com câncer de ovário epitelial após fracasso da quimioterapia de primeira linha à base de platina foi concluído em 474 pacientes. Houve benefício na sobrevida global (SG) em pacientes tratadas com CAELYX® sobre pacientes tratadas com topotecana conforme indicado pela razão de risco (RR) de 1,216 (IC de 95% de 1,000 a 1,478), p=0,050. Os índices de sobrevida em 1, 2 e 3 anos foram 56,3%, 34,7% e 20,2%, respectivamente, para CAELYX® em comparação com 54,0%, 23,6% e 13,2% para topotecana.
Para o subgrupo de pacientes com doença sensível à platina a diferença foi maior: RR de 1,432 (IC de 95%; 1,066 a 1,923), p=0,017. Os índices de sobrevida em 1, 2 e 3 anos foram 74,1%, 51,2% e 28,4%, respectivamente, para CAELYX®, comparados a 66,2%, 31,0% e 17,5% para topotecana.
Os tratamentos foram similares nos subgrupos de pacientes com doença refratária à platina: RR de 1,069 (IC de 95%; 0,823 a 1,387), p=0,618. Os índices de sobrevida em 1, 2 e 3 anos foram 41,5%, 21,1% e 13,8%, respectivamente, para CAELYX® em comparação com 43,2%, 17,2% e 9,5% para topotecana.
Mieloma múltiplo8: Um estudo fase III, randomizado, de grupo paralelo, aberto, multicêntrico comparando a segurança e a eficácia da terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe com a monoterapia com bortezomibe em pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos uma terapia anterior foi conduzido em 646 pacientes. Houve uma melhora significativa no desfecho primário relativo ao tempo para progressão (TPP) nos pacientes tratados com terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe quando comparada com pacientes tratados com a monoterapia com bortezomibe conforme indicado pela redução do risco (RR) de 35% (95% IC; 21 a 47%), p < 0,0001, baseado nos 407 eventos TPP. A mediana de TPP foi de 6,9 meses para os pacientes que receberam a monoterapia com bortezomibe em comparação com 8,9 meses para os pacientes que receberam a terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe. Uma análise interina definida em protocolo (baseada nos 249 eventos/TPP) desencadeou o término precoce do estudo para eficácia. Essa análise interina mostrou a redução do risco para progressão de 45% (IC de 95%; 29 a 57%), p < 0,0001. A mediana de TPP foi de 6,5 meses para pacientes recebendo a monoterapia com bortezomide em comparação com 9,3 meses para pacientes recebendo a terapia combinada de CAELYX® mais bortezomibe. Esses resultados, embora não finalizados, constituíram a análise final definida em protocolo.
Referências
1. Clinical Study Report Protocol I97-328. SCH200746: A Randomized Phase 3 Trial of Caelyx/Doxil (SCH200746) VS Doxorubicin For The First-Line Treatment of Woman With Metastatic Breast Cancer. Schering-Plough Research Institute: January 2002.
2. Clinical Study Report Protocol C/I96-352. SCH200746: A Randomized Multicenter Trial Of Caelyx/Doxil (SCH200746) AS Monotherapy VS A Comparative Salvage Regimen For The Treatment Of Subjects With Advanced Breast Cancer Who Have Failed A Prior Taxane-Containing Regimen. Schering-Plough Research Institute; January 2002.
3. Clinical Overview, Caelyx (SCH200746) Breast Cancer Variation, January 2002.
4. Report CL 160-30-PK-98-01, Addendum 2, Breast Cancer subset.
5. Clinical Study Report Protocol No. 30-49, SCH 200746: A Phase III, Randomized, Open Label Comparative Study Of Doxil/Caelyx versus Topetecan HCL In Patients With Epithelial Ovarian Carcinoma Following Failure of First-Lone, Platinum Based Chemotherapy. Schering-Plough Research Institute; April 2000.
6. Clinical Protocol No. 30-49 A Phase III, Randomized, Open Label Comparative Study Of Doxil/Caelyx versus Topetecan HCL In Patients With Epithelial Ovarian Carcinoma Following Failure of First-Lone, Platinum Based Chemotherapy. Schering-Plough Research Institute.
7. Clinical Overview, Caelyx (SCH200746) Ovarian Cancer HRD, November 1999.
8. 2.7.3 Summary of Clinical Efficacy - DOXIL-MMY-3001 study - section 2.1.

Interação com outros medicamentos

Não foram realizados estudos formais sobre interações farmacológicas de CAELYX®, embora estudos de fase II de associações com agentes quimioterápicos convencionais tenham sido conduzidos em pacientes com doenças ginecológicas malignas. Deve-se proceder com cautela no uso concomitante de medicamentos que tenham interações conhecidas com o cloridrato de doxorrubicina convencional. CAELYX®, assim como outras preparações contendo cloridrato de doxorrubicina, pode potencializar a toxicidade de outros tratamentos contra o câncer.
CAELYX® já foi administrado como parte de um esquema terapêutico (associado com ciclofosfamida, taxanos ou vinorelbina) em 230 pacientes com tumores sólidos (incluindo câncer de ovário ou de mama). As doses de CAELYX® e do agente associado usadas nesses estudos foram as seguintes: ciclofosfamida 600 mg/m2 + CAELYX® 30 mg/m2 a cada 3 semanas, paclitaxel 175 mg/m2 + CAELYX® 30 mg/m2 a cada 3 semanas, docetaxel 60 mg/m2 + CAELYX® 30 mg/m2 a cada 3 semanas e vinorelbina 30 mg/m2 a cada 2 semanas + CAELYX® 40 mg/m2 a cada 4 semanas. Não foram observadas novas toxicidades aditivas. Em pacientes com sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida, a exacerbação da cistite hemorrágica induzida por ciclofosfamida e o aumento da hepatotoxicidade da 6-mercaptopurina foram descritos com o cloridrato de doxorrubicina convencional. Deve-se agir com cautela ao se administrar concomitantemente outros agentes citotóxicos, especialmente os mielotóxicos.
Incompatibilidade: NÃO MISTURE COM OUTROS FÁRMACOS.

Cuidado de armazenamento

Conservar sob refrigeração (temperatura entre 2 e 8°C). Não congelar.
O prazo de validade do medicamento é de 20 meses a partir da data de fabricação.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
Depois de diluir em soro glicosado a 5%, a solução diluída de CAELYX® deve ser usada imediatamente.
Após preparo, manter sob refrigeração (entre 2 e 8° C) por no máximo 24 horas.
Aspecto físico
CAELYX
® é uma suspensão vermelha, translúcida.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Superdose

A superdose aguda com o cloridrato de doxorrubicina piora os efeitos tóxicos da mucosite, leucopenia e trombocitopenia. O tratamento da superdose aguda do paciente gravemente mielossuprimido inclui internação, antibióticos, transfusões de plaquetas e granulócitos e tratamento sintomático da mucosite.
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Dizeres legais

MS - 1.1236.3399
Venda sob prescrição médica.
Fonte Bulário Eletrônico da Anvisa, 02/10/12.

Indicado para o tratamento de:

Publicidade

Outros medicamentos JANSSEN-CILAG

iVademecum © 2016 - 2020.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play