TEVACARBO

2777 | Laboratório TEVA

Descrição

Princípio ativo: Carboplatina,
Ação Terapêutica: Outros citostáticos

Composição

Cada mL da solução contém: carboplatina 10 mg. Excipientes q.s.p 1mL.(manitol, água para injetáveis).

Apresentação

Solução injetável
Embalagem contendo 1 frasco-ampola de solução injetável com 5 mL - 50 mg.
Embalagem contendo 1 frasco-ampola de solução injetável com 15 mL - 150 mg.
Embalagem contendo 1 frasco-ampola de solução injetável com 45 mL - 450 mg.
Uso exclusivamente intravenoso
Uso adulto

Indicações

TEVACARBO® (carboplatina) está indicado no tratamento do carcinoma avançado de ovário, como:
a) terapia de primeira linha;
b) terapia de segunda linha, após outros tratamentos haverem falhado.
Também é indicado no tratamento do carcinoma de pequenas células de pulmão e no carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço.
Respostas significativas têm sido observadas quando TEVACARBO® (carboplatina) é empregado no tratamento do carcinoma de colo uterino.
Freqüentemente TEVACARBO® (carboplatina) é utilizado em combinação com outros agentes quimioterápicos em várias indicações, como com paclitaxel no tratamento do carcinoma avançado de ovário.

Dosagem

O medicamento deve ser administrado unicamente por via intravenosa.
A dose recomendada para pacientes adultos não tratados previamente e com função renal normal é de 400 mg/m2 IV em dose única e administrada por infusão de 15 a 60 minutos.
O tratamento não deve ser repetido até que se completem 4 semanas após o ciclo prévio de TEVACARBO® (carboplatina) e/ou até que a contagem de neutrófilos seja de, pelo menos, 2.000 células/mm3 e a de plaquetas, 100.000 células/mm3.
Recomenda-se a redução da dose inicial em 20 a 25% nos pacientes que apresentam fatores de risco, tais como tratamento mielodepressor prévio e mau estado geral (ECOG-Zubrod 2-4 ou Karnofsky < 80).
A determinação do nadir hematológico através de hemogramas semanais durante os ciclos iniciais de tratamento com TEVACARBO® (carboplatina) é recomendada para ajustes de dose nos ciclos subseqüentes.
Função renal alterada
Pacientes com valores de clearancede creatinina abaixo de 60 mL/min possuem risco aumentado para a ocorrência de mielodepressão grave. A freqüência de leucopenia grave, neutropenia ou trombocitopenia tem se mantido em cerca de 25% com as seguintes doses recomendadas:
- 250 mg/m2 IV no primeiro dia em pacientes com valores de clearancede creatinina basal entre 41 e 59 mL/min;
- 200 mg/m2 IV no primeiro dia em pacientes com os valores de clearancede creatinina basal entre 16 e 40 mL/min.
Não existem dados suficientes sobre o uso de carboplatina em pacientes com clearancede creatinina menor ou igual a 15 mL/min que possibilitem a recomendação do tratamento. Todas as recomendações de dose acima se aplicam ao ciclo inicial de tratamento. As doses subseqüentes devem ser ajustadas de acordo com a tolerância do paciente e com o nível de mielodepressão aceitável.
Terapia associada
O uso ideal de TEVACARBO® (carboplatina) em combinação com outros agentes mielodepressores necessita de ajustes de dosagem de acordo com o esquema a ser adotado.
Fórmula de dosagem
Outra maneira de determinar a dose inicial de carboplatina é o uso de uma fórmula matemática, que é baseada na função renal preexistente do paciente e no nadir de plaquetas desejado. O uso da fórmula de dosagem, quando comparada ao cálculo empírico baseado na área da superfície corporal, possibilita ajuste nos pacientes com variabilidade da função renal antes do tratamento que, por outro lado, pode resultar em dose insuficiente em pacientes com função renal média elevada ou dose excessiva em pacientes com função renal prejudicada. Uma fórmula simples para cálculo de dosagem, baseada na taxa de filtração glomerular (GFR em mL/min) e na área sob concentração pelo tempo (AUC em mg/mL min) pretendida para a carboplatina, foi proposta por Calvert da seguinte forma:

Modo de usar
O alumínio reage com a carboplatina formando precipitados e levando à perda da potência; portanto, agulhas ou instrumentos de uso intravenoso, contendo partes em alumínio que possam entrar em contato com o fármaco, não devem ser usados para preparação ou administração de carboplatina.

Contra-indicações

Pacientes com histórico de reações alérgicas graves à carboplatina ou a outros compostos que contenham platina ou manitol não devem utilizar TEVACARBO® (carboplatina).
O medicamento não deve ser usado por pacientes portadores de insuficiência renal grave, pacientes com mielodepressão grave e por pacientes com tumores que apresentem hemorragia.

Reações Adversas

Hematológicos
A mielodepressão é a toxicidade dose-limitante da carboplatina. Em pacientes com valores basais normais, trombocitopenia com contagem de plaquetas abaixo de 50.000/mm3 ocorreu em 25% dos pacientes; neutropenia com contagem de granulócitos abaixo de 1.000/mm3, em 18% dos pacientes e leucopenia com contagem de leucócitos abaixo de 2.000/mm3,em 14% dos pacientes. O nadir geralmente ocorre no 21° dia (e no 15° dia em pacientes recebendo carboplatina em combinação). No 28° dia, o restabelecimento da contagem de plaquetas acima de 100.000/mm3 ocorre em 90% dos pacientes, o restabelecimento de neutrófilos acima de 2.000/mm3 ocorre em 74% e o restabelecimento dos leucócitos acima de 4.000/mm3 ocorre em 67% dos pacientes. Neutropenia febril também tem sido relatada em experiência de pós-comercialização.
A mielotoxicidade é mais grave em pacientes previamente tratados, em particular, com a cisplatina e em pacientes com a função renal prejudicada. Pacientes com mau estado geral também apresentaram maior leucopenia e trombocitopenia. Estes efeitos, embora geralmente reversíveis, têm resultado em infecções e complicações hemorrágicas em 4% e 5%, respectivamente, dos pacientes que receberam carboplatina. Estas complicações levaram à morte menos de 1% dos pacientes.
Anemia com taxa de hemoglobina abaixo de 11 g/dL tem sido observada em 71% dos pacientes com valores basais normais. A incidência de anemia aumenta com o aumento da exposição à carboplatina. Transfusão de apoio tem sido administrada em 26% dos pacientes recebendo carboplatina. A mielodepressão pode ser agravada pela combinação de carboplatina com outros agentes ou formas de tratamento mielodepressivos.
Gastrintestinais
Vômitos ocorrem em 65% dos pacientes, um terço dos quais de forma grave. Náuseas ocorrem em mais de 15% dos pacientes. Pacientes previamente tratados (em particular com a cisplatina) estão aparentemente mais propensos a vômitos. Estes efeitos normalmente desaparecem dentro de 24 horas após o tratamento e geralmente respondem aos medicamentos antieméticos ou podem ser prevenidos por tais medicamentos. A administração de carboplatina, por um período prolongado através de infusão contínua ou durante 5 dias consecutivos, pode diminuir a probabilidade de vômitos. O vômito é mais freqüente quando a carboplatina é usada em combinação com outros compostos emetogênicos. Outros efeitos colaterais gastrintestinais consistem em dor (17%), diarréia (6%) e constipação (6%). Casos de anorexia têm sido relatados na experiência pós-comercialização. A relação de carboplatina com estes eventos não está esclarecida.
Neurológicos
Neuropatias periféricas (principalmente parestesia) ocorreram em 4% dos pacientes que receberam carboplatina. Pacientes com mais de 65 anos de idade e previamente tratados com a cisplatina, bem como pacientes que receberam tratamento prolongado com carboplatina, parecem ter maior risco de desenvolver neuropatias periféricas. Em 50% dos pacientes que têm neurotoxicidade periférica preexistente induzida pela cisplatina não houve nenhum agravamento posterior dos sintomas durante a terapia com carboplatina.
A ototoxicidade clinicamente significativa e outros distúrbios sensoriais, como por exemplo, distúrbios visuais e alterações do paladar, têm ocorrido em 1% dos pacientes. Sintomas do sistema nervoso central foram relatados em 5% dos pacientes e freqüentemente parecem estar relacionados ao uso de antieméticos.
A freqüência total dos efeitos colaterais neurológicos parece ser maior em pacientes recebendo a carboplatina em combinação, o que deve estar relacionado com a longa exposição cumulativa.
Renais
Quando administrada nas doses habituais, a redução da função renal tem sido pouco comum, apesar da administração de carboplatina não exigir a hidratação de grandes volumes de fluido nem medidas de diurese forçada. Ocorreu elevação da creatinina sérica em 6% dos pacientes, da uréia no sangue em 14% e do ácido úrico em 5%. Estes efeitos são geralmente moderados e reversíveis em cerca de 50% dos pacientes. O clearencede creatinina mostrou ser a mais sensível medida da função renal em pacientes em tratamento com carboplatina.
Vinte e sete por cento dos pacientes com valor bassal de 60 mL/min ou mais tiveram redução do clarance de creatinina durante a terapia com carboplatina.
Eletrólitos
Diminuição dos níveis séricos de sódio, potássio, cálcio e magnésio ocorre em 29%, 20%, 22% e 29% dos pacientes, respectivamente. Suplementação eletrolítica não foi administrada juntamente com carboplatina. A quimioterapia combinada não aumentou a incidência destas alterações eletrolíticas.
Relataram-se, de forma espontânea, vários casos de hiponatremia precoce. Enquanto a relação de carboplatina não é clara face a outros fatores contribuintes (diurese, disfunção respiratória, malignidade, etc.), a possibilidade de hiponatremia deve ser considerada, especialmente para pacientes com outros fatores de risco como terapia diurética concomitante. A reposição de sódio ou a restrição voluntária de água geralmente reverteu a hiponatremia.
Hepáticas
Observaram-se alterações da função hepática em pacientes com valores basais normais que incluem elevação da bilirrubina total em 5%, da TGO sérica em 15% e da fosfatase alcalina em 24% dos pacientes. Estas modificações geralmente são moderadas e reversíveis em cerca de 50% dos pacientes. Têm ocorrido alterações significativas nos testes de função hepática em um número limitado de pacientes recebendo doses elevadas de carboplatina para transplante autólogo de medula óssea.
Reações Alérgicas
Hipersensibilidade à carboplatina foi relatada em 2% dos pacientes. Reações alérgicas desse tipo são comparadas em características e conseqüências às reações relatadas com outros compostos contendo platina, como por exemplo: erupções cutâneas, urticária, eritema, prurido, broncoespasmos (raramente) e hipotensão. Reações do tipo anafiláticas têm ocorrido após minutos da administração do fármaco. As reações de hipersensibilidade têm sido tratadas com sucesso com epinefrina-padrão, corticosteróide e terapia anti-histamínica.
Reações no Local da Injeção
Durante a farmacovigilância foram relatadas reações no local da injeção, incluindo vermelhidão, inchaço e dor. Foi relatado também necrose associada com o extravasamento.
Outros
Malignidades secundárias foram descritas em associação com terapia multidroga, entretanto a relação com a carboplatina não está esclarecida. Efeitos adversos sobre os sistemas respiratório, cardiovascular e geniturinário, da mucosa, cutâneos e musculoesqueléticos ocorreram em 5% ou menos dos pacientes. Óbitos ocorreram por complicações cardiovasculares (insuficiência cardíaca, embolia, acidente vascular cerebral) em menos de 1% dos pacientes. Não está claro se estas mortes estavam relacionadas à quimioterapia ou a doenças concomitantes. A hipertensão tem sido relatada no período após comercialização do produto.
Astenia (8%) e alopecia (3%) também têm sido relatadas.
Suas freqüências aumentaram bastante em pacientes recebendo carboplatina associada. Relatam-se casos raros de síndrome hemolítico-urêmica. Também foi relatado mal-estar como parte da farmacovigilância.

Precauções

TEVACARBO® (carboplatina) deve ser administrado somente por profissionais experientes no uso de agentes quimioterápicos antineoplásicos. Devem ser feitas, regularmente, contagens sangüíneas, bem como testes da função hepática e renal. O uso do medicamento deverá ser descontinuado caso ocorra depressão anormal da medula óssea ou funcionamento renal ou hepático anormais.
Reações Alérgicas
Como ocorre com outros compostos de platina, reações alérgicas têm sido relatadas. Estas podem ocorrer minutos após a administração e devem ser controladas com uma terapia de suporte adequada. Há um risco aumentado de reações alérgicas, incluindo anafilaxia, em pacientes previamente expostos à terapia com platina.
Toxicidade Hematológica
A leucopenia, neutropenia e trombocitopenia são dependentes e limitantes da dose. Contagens do sangue periférico devem ser monitorizadas freqüentemente durante o tratamento com carboplatina e, em caso de toxicidade, até que ocorra a recuperação. A data média do nadir é o 21° dia em pacientes recebendo carboplatina como agente único e o 15° dia em pacientes recebendo em combinação com outros agentes quimioterápicos. De modo geral, ciclos únicos intermitentes de carboplatina não devem ser repetidos até que as contagens de leucócitos, neutrófilos e plaquetas tenham retornado ao normal.
A anemia é freqüente e cumulativa. A tranfusão sangüínea é freqüente necessária durante o tratamento com o medicamento, particularmente em pacientes recebendo terapia prolongada.
A gravidade da mielodepressão é maior em pacientes que sofreram tratamento anterior (em particular com a cisplatina) e/ou em pacientes com função renal alterada. As dosagens iniciais de carboplatina nestes grupos de pacientes devem ser reduzidas apropriadamente e os efeitos, cuidadosamente monitorizados através de contagens sangüíneas freqüentes entre os ciclos. A terapia combinada de carboplatina com outras formas de tratamento mielodepressivo deve ser planejada muito cuidadosamente com relação às dosagens e ao tempo, de modo a minimizar os efeitos aditivos.
Toxicidade Neurológica
Muito embora a toxicidade neurológica periférica seja geralmente rara e branda, a sua freqüência é maior em pacientes com mais de 65 anos de idade e/ou em pacientes previamente tratados com a cisplatina. A estabilização e a melhora da neurotoxicidade preexistente induzida pela cisplatina ocorreram em cerca de metade dos pacientes que receberam carboplatina como tratamento secundário.
Distúrbios visuais, incluindo perda de visão, têm sido raramente relatados após o uso de carboplatina quando pacientes com insuficiência renal recebem doses maiores que as recomendadas. A visão parece recuperar-se totalmente ou a um grau significativo dentro de semanas após a interrupção dessas altas doses.
Carcinogênese, Mutagênese e Comprometimento da Fertilidade
O potencial carcinogênico da carboplatina não foi estudado, porém compostos com mecanismos de ação e mutagenicidade similares têm sido relatados como carcinogênicos. A carboplatina demonstrou ser mutagênica tanto in vitro quanto in vivo.
GRAVIDEZ E LACTAÇÃO
A carboplatina pode causar danos fetais quando administrada em mulheres grávidas. A carboplatina também apresentou embriotoxicidade e teratogenicidade em ratos. Não foram realizados estudos controlados em mulheres grávidas.
Se o fármaco for usado durante a gravidez ou se a paciente ficar grávida durante o tratamento, a paciente deverá ser alertada sobre os riscos potenciais para o feto. Mulheres em idade fértil também devem ser avisadas sobre os riscos e aconselhadas a não engravidar durante o tratamento.
Não se sabe ao certo se a carboplatina é excretada no leite materno. Entretanto, como muitos fármacos são excretados no leite e devido à possibilidade de causar toxicidade no lactente, recomenda-se que o aleitamento seja descontinuado durante o tratamento com o medicamento.
Categoria D de risco na gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Interação com outros medicamentos

- carboplatina/fármacos nefrotóxicos: A carboplatina possui limitado potencial nefrotóxico, porém, o tratamento concomitante com compostos nefrotóxicos pode aumentar ou exacerbar a toxicidade da carboplatina, provocando alterações no clearancerenal.
- carboplatina/vacinas com vírus vivo: Devido ao fato dos mecanismos de defesa normais do organismo estarem suprimidos em virtude da terapia com carboplatina, o uso concomitante de vacina com vírus vivo pode potencializar a replicação do vírus, podendo aumentar os efeitos adversos da vacina e/ou diminuir a resposta dos anticorpos à vacina.
- carboplatina/antibióticos aminoglicosídicos: o uso concomitante destes medicamentos pode aumentar o risco de ototoxicidade.

Superdose

Não há antídoto conhecido para a superdose de carboplatina. As complicações precoces de superdose podem estar relacionadas à mielodepressão, bem como a danos às funções hepática e renal. O uso de TEVACARBO (Ccarboplatina) em doses maiores que as recomendadas tem sido relacionado com a perda da visão.

Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA - USO RESTRITO A HOSPITAIS
Reg MS n°: 1.5573.0008.

Indicado para o tratamento de:

Publicidade

iVademecum © 2016 - 2019.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play