MABTHERA

3636 | Laboratório ROCHE

Descrição

Princípio ativo: Rituximabe,
Ação Terapêutica: Imunomoduladores

Composição

Cada frasco de 10 mL contém: Princípio ativo:rituximabe 100 mg. Cada frasco de 50 mL contém: Princípio ativo:rituximabe 500 mg. Excipientes:citrato de sódio, polissorbato 80, cloreto de sódio, ácido clorídrico, hidróxido de sódio e água para injeção.

Apresentação

Solução injetável para infusão intravenosa.
Caixas com 2 frascos de 10 mL (100 mg/10 mL)
Caixas com 1 frasco de 50 mL (500 mg/50 mL)
VIA INTRAVENOSA
USO ADULTO

Indicações

MabThera®é indicado ao tratamento de:
Linfoma não Hodgkin
- pacientes com linfoma não Hodgkin de células B, baixo grau ou folicular, CD20 positivo, recidivado ou resistente à quimioterapia;
- pacientes com linfoma não Hodgkin difuso de grandes células B, CD20 positivo, em combinação à quimioterapia CHOP;
- pacientes com linfoma não Hodgkin de células B, folicular, CD20 positivo, não tratados previamente, em combinação com quimioterapia. A combinação com a quimioterapia CVP é de indicação exclusiva para linfomas foliculares, exceto os linfomas foliculares do tipo 3 (correspondente ao linfoma folicular de grandes células da Working Formulation);
- pacientes com linfoma folicular como tratamento de manutenção, após resposta à terapia de indução.
Artrite Reumatóide
MabThera®em combinação com metotrexato está indicado para o tratamento de pacientes adultos com artrite reumatóide ativa que tiveram uma resposta inadequada ou intolerância a uma ou mais terapias de inibição do fator de necrose tumoral (TNF).

Dosagem

MabThera®deve ser administrado por infusão intravenosa por meio de acesso exclusivo (a solução não deve ser misturada a outros medicamentos ou a outras soluções), em local com recursos disponíveis para ressuscitação e sob estrita supervisão de médico experiente. Não administrar como injeção intravenosa ou em bolus.
Pré-medicação, consistindo de analgésico/antipirético (por exemplo, paracetamol) e anti-histamínico (por exemplo, difenidramina), deverá ser sempre administrada antes de cada infusão de MabThera®.Glicocorticoide também deve ser administrado, especialmente se MabThera®não estiver sendo administrado em associação com quimioterapia contendo esteroide (Vide item "Instruções de doses especiais").
Instruções para manuseio
Retirar a quantidade necessária de MabThera®sob condições de assepsia e diluir para uma concentração calculada de MabThera®de 1-4 mg/mL em frasco com soro fisiológico a 0,9%, não pirogênica, ou em soro glicosado a 5%. Para misturar a solução, inverta o frasco delicadamente, para evitar a formação de espuma. Medicações parenterais devem ser inspecionadas visualmente quanto à existência de partículas em suspensão ou alteração da cor antes da administração. A solução pronta de MabThera®é física e quimicamente estável por 24 horas, entre 2° e 8 °C, e, subseqüentemente, por até 12 horas em temperatura ambiente.
Incompatibilidades
Não foram observadas incompatibilidades entre MabThera®e os frascos ou equipos de cloreto de polivinil ou polietileno utilizados para infusão.
Instruções de doses especiais
Crianças e adolescentes
A segurança e a eficácia de MabThera® em pacientes pediátricos não foram estabelecidas.
Idosos
Não é necessário ajuste de dose para pacientes idosos ( >65 anos).
Linfoma não Hodgkin folicular ou de grau baixo
Tratamento inicial
A dosagem recomendada de MabThera®usado como monoterapia para pacientes adultos é de 375 mg/m2 de superfície corpórea, administrado como infusão intravenosa (Vide item "Primeira infusão e infusões subsequentes"), uma vez por semana, por quatro semanas.
A dosagem recomendada de MabThera®quando associado à quimioterapia CVP (ciclofosfamida, vincristina e prednisolona) é de 375 mg/m2 de superfície corpórea, a cada 21 dias, por 8 ciclos, administrado no dia 1 de cada ciclo de quimioterapia após administração IV do glicocorticosteroide que compõe o CVP. MabThera®deve ser administrado no dia 1 de cada ciclo de quimioterapia, após administração IV do componente glicocorticoide da quimioterapia, se pertinente.
Retratamento após recidiva
Pacientes que tenham respondido inicialmente a MabThera®poderão ser tratados novamente com MabThera®na dose de 375 mg/m2 de superfície corpórea, administrado por infusão intravenosa, uma vez por semana, por 4 semanas (Vide item "Resultados de eficácia, Retratamento, semanal, por 4 doses").
Tratamento de manutenção
Pacientes que responderam ao tratamento de indução podem receber terapia de manutenção com MabThera®na dose de 375 mg/m2 de superfície corpórea, uma vez a cada 3 meses até a progressão da doença ou por um período máximo de 2 anos.
Linfoma não Hodgkin difuso de grandes células B
MabThera®
deve ser usado em combinação com o esquema quimioterápico CHOP (ciclofosfamida, doxorrubicina, prednisona e vincristina). A dose recomendada de MabThera®é de 375 mg/m2 de superfície corpórea, administrado no dia 1 de cada ciclo da quimioterapia, a cada três semanas, por 8 ciclos, após administração IV do componente glicocorticoide do CHOP. Os outros componentes do esquema CHOP devem ser administrados após a administração de MabThera®(Vide item "Primeira infusão e infusões subsequentes").
Primeira infusão
A velocidade inicial recomendada para infusão é de 50 mg/h; posteriormente, essa velocidade poderá ser aumentada em 50 mg/h a cada 30 minutos, até o máximo de 400 mg/h.
Infusões subsequentes
As infusões subsequentes de MabThera®poderão ser iniciadas a uma velocidade de 100 mg/h, com incrementos de 100 mg/h a cada 30 minutos, até o máximo de 400 mg/h.
Ajuste de dosagem durante o tratamento
Não são recomendadas reduções de dose de MabThera®. Quando MabThera®é administrado em combinação com o esquema quimioterápico CHOP ou CVP, devem ser aplicadas reduções de dose padrão para as drogas quimioterápicas.
Artrite reumatoide (AR)
Um curso de tratamento com MabThera® consiste de duas infusões IV de 1000 mg cada, com 14 dias de intervalo (D1 e D15).
Os pacientes podem receber cursos adicionais de tratamento com base nos sinais e sintomas da doença. Nos estudos clínicos, nenhum paciente recebeu um segundo curso de tratamento de rituximabe nas 16 semanas após a primeira infusão do primeiro curso. O intervalo de tempo entre os cursos de tratamento foi variável, com a maioria dos pacientes recebendo terapia adicional de 6 a 12 meses após o curso de tratamento anterior. Alguns pacientes necessitaram de um novo tratamento com menor freqüência. A eficácia e a segurança dos cursos adicionais são comparáveis às observadas após o primeiro tratamento com MabThera® (vide item "Reações adversas - Experiência originada dos estudos clínicos de artrite reumatóide").
Os pacientes com artrite reumatóide devem receber o tratamento com 100 mg de metilprednisolona IV, 30 minutos antes de cada infusão de MabThera® para diminuir a incidência e a severidade das reações à infusão (vide "Advertências").
Primeira infusão de cada curso
Recomenda-se que a 1ª infusão seja iniciada a 50 mg/h. Após os primeiros 30 minutos, a velocidade pode ser aumentada em incrementos de 50 mg/h, a cada 30 minutos, até o máximo de 400 mg/h.
Segunda infusão de cada curso
As infusões subsequentes podem ser iniciadas a 100 mg/h e aumentada em incrementos de 100 mg/h, a cada 30 minutos, até o máximo de 400 mg/h.

Contra-indicações

MabThera®é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao RTX e a qualquer componente do produto ou a proteínas murinas.
Este medicamento é contraindicado para pacientes pediátricos.

Reações Adversas

Experiência advinda dos estudos clínicos em Onco-Hematologia
A frequência de reações adversas a medicamento (RAMs)relatadas com MabThera®em monoterapia ou em combinação com quimioterapia é resumida nas tabelas abaixo e se baseia em dados de estudos clínicos. Essas RAMs ocorreram em estudos de braço único ou com uma diferença de pelo menos 2% comparada com o braço de controle em pelo menos um grande estudo clínico randomizado. Reações adversas foram acrescentadas à categoria apropriada nas tabelas abaixo, de acordo com a maior incidência observada em qualquer um dos principais estudos clínicos. Dentro de cada grupo de frequência de reações adversas, estão listadas em ordem decrescente de severidade. As frequências são definidas como muito comum ? 10%, comum >1% e < 10% e incomum >0,1% e < 1%.
MabThera®em monoterapia / terapia de manutenção
As reações adversas a seguir são baseadas em dados de estudo de braço único com 356 pacientes com linfoma de baixo grau ou folicular que receberamMabThera®em monoterapia, semanalmente, para tratamento ou retratamento de linfoma não Hodgkin, até quatro semanas, na maioria dos pacientes, e de 25 pacientes que receberam doses outras, que não a de 375 mg/m2 por quatro doses, chegando até a 500 mg/m2, dose única, durante a Fase I (Vide item "Resultados de eficácia"). A tabela também contém reações adversas baseadas em dad

Precauções

Pacientes com linfoma não Hodgkin
Reações relacionadas à infusão
Reações relacionadas à infusão deMabThera® podem estar relacionadas à liberação de citocinas e/ou outros mediadores químicos. Uma reação grave relacionada à infusão pode ser clinicamente indistinguível das reações de hipersensibilidade ou da síndrome de liberação de citocinas. Foram relatadas reações graves relacionadas à infusão, com evolução fatal, durante o uso pós-marketing. As reações graves relacionadas à infusão geralmente se manifestam dentro de 30 minutos a 2 horas após o início da primeira infusão de MabThera®, são caracterizadas por eventos pulmonares e incluem, em alguns casos, lise tumoral rápida e manifestações da síndrome de lise tumoral, além de febre, tremores, hipotensão, urticária, angioedema e outros sintomas (Vide item "Reações adversas").Pacientes com alta carga tumoral ou com grande número de células malignas circulantes ( >25.000/mm3) podem ter risco maior de desenvolver reações graves relacionadas à infusão (ex.: pacientes com LLC e linfoma de células do manto).
Os sintomas de reação à infusão são geralmente reversíveis após a interrupção da infusão. Recomenda-se tratar os sintomas relacionados à infusão com difenidramina e acetaminofeno. Tratamento adicional com solução salina ou broncodilatadores IVpode ser indicado.
Na maioria dos casos, a infusão pode ser reiniciada com uma redução de 50% na velocidade de infusão (por exemplo, de 100 mg/h para 50 mg/h), quando os sintomas melhorarem completamente. A maioria dos pacientes que apresentaram reações relacionadas à infusão que não acarretaram risco de morte pode fazer o tratamento completo com MabThera®.Além disso, o tratamento dos pacientes, após completa resolução dos sinais e sintomas, raramente resultou em repetição das reações severas relacionadas à infusão. Reação anafilática e outras reações de hipersensibilidade foram relatadas após a administração intravenosa de proteínas aos pacientes. Epinefrina, anti-histamínicos e glicocorticoides devem estar disponíveis para uso imediato na eventualidade de uma reação de hipersensibilidade à MabThera®.
Pacientes com um grande número de células malignas circulantes ( >25 x 109/L) ou com grande carga tumoral, como pacientes com LLC e linfoma de células do manto, que podem apresentar maior risco de reações severas relacionadas à infusão, devem ser tratados com extrema precaução. Esses pacientes devem ser monitorados intensivamente durante a primeira infusão. Deve-se considerar iniciar a primeira infusão com uma velocidade menor nesses pacientes ou o fracionamento da dose em dois dias, durante o primeiro ciclo e qualquer ciclo subsequente, se o número de linfócitos ainda for >25 x 109/L.
Eventos pulmonares
Os eventos pulmonares foram hipóxia, infiltrados pulmonares e insuficiência respiratória aguda. Alguns desses eventos foram precedidos por broncoespasmo severo e dispneia. Em alguns casos, os sintomas pioraram ao longo do tempo, enquanto que em outros uma melhora inicial foi seguida de piora clínica. Portanto, os pacientes com eventos pulmonares ou outros sintomas graves relacionados à infusão devem ser monitorados atentamente até a completa resolução dos mesmos. Pacientes com história de insuficiência pulmonar ou aqueles que apresentam infiltração pulmonar pelo tumor podem ter maior chance de mau prognóstico e devem ser tratados com maior precaução. A insuficiência respiratória aguda pode ser acompanhada por eventos como infiltrados pulmonares intersticiais ou edema, visíveis à radiografia de tórax. A síndrome geralmente se manifesta após 1 ou 2 horas do início da primeira infusão. Os pacientes que tiverem eventos pulmonares graves devem ter sua infusão interrompida imediatamente (Vide item "Posologia") e devem receber tratamento sintomático agressivo.
Lise tumoral rápida
MabThera®
faz a mediação da lise tumoral rápida de células benignas e malignas CD20 positivas. Sinais e sintomas compatíveis com a síndrome da lise tumoral (hiperuricemia, hipercalemia, hipocalcemia, hiperfosfatemia, insuficiência renal aguda, DHLelevada) foram relatados em pacientes com um grande número de linfócitos malignos circulantes após a 1ª infusão de MabThera®. A profilaxia para síndrome de lise tumoral deve ser considerada em pacientes com risco de desenvolver lise tumoral rápida (exemplo, pacientes com alta carga tumoral ou com um número alto ( >25 x 109/L) de células malignas circulantes, tais como pacientes com LLC e linfoma de células do manto). Os pacientes com risco de desenvolver lise tumoral rápida devem ser acompanhados atentamente, e uma monitoração laboratorial apropriada deve ser realizada. Deve-se dar um tratamento clínico apropriado para os pacientes que desenvolverem sinais e sintomas consistentes com a lise tumoral rápida. Após o tratamento para a completa resolução dos sinais e sintomas da síndrome de lise tumoral rápida, terapia subsequente com MabThera®foi administrada em conjunto com a terapia profilática apenas em um número limitado de casos.
Cardiovascular
Como pode ocorrer hipotensão durante a infusão de MabThera® , deve-se considerar a suspensão das medicações anti-hipertensivas 12 horas antes e durante a infusão de MabThera®. Angina pectorise arritmias cardíacas (flutter e fibrilação atrial) já ocorreram em pacientes tratadoscom MabThera®. Portanto, pacientes com história de doenças cardíacas devem ser monitorados atentamente.
Monitoramento de contagem de células sanguíneas
Embora MabThera®não seja mielossupressivo em monoterapia, deverão ser adotadas as devidas precauções para pacientes com número absoluto de neutrófilos < 1,5 x 109/L e/ou número de plaquetas < 75 x 109/L, considerando que a experiência clínica é limitada nesse tipo de paciente. MabThera®foi usado em pacientes submetidos a transplante autólogo de medula óssea e em outros grupos de risco com uma presumida redução funcional da medula óssea, sem induzir mielotoxicidade.
Deverá ser considerada a necessidade de se realizar hemograma completo regularmente, incluindo contagem de plaquetas, durante a monoterapia com MabThera®. Quando MabThera®é administrado em combinação com quimioterapia CHOP ou CVP, o hemograma completo regular deve ser realizado de acordo com a prática clínica habitual.
Infecções
O tratamento com MabThera®não deve ser iniciado em pacientes com infecções graves ativas.
Infecção por vírus da hepatite B:
Portadores de hepatite B e pacientes com histórico de hepatite B devem ser cuidadosamente monitorados quanto aos sinais clínicos e laboratoriais de infecção ativa pelo vírus da hepatite B durante e por vários meses após a terapia com MabThera®.
Casos de reativação de hepatite B, incluindo relatos de hepatite fulminante, alguns dos quais fatais, foram observados em indivíduos que receberam MabThera®,embora a maioria deles também estivesse exposta à quimioterapia citotóxica. Há interferências nos relatos tanto pela doença subjacente quanto pela quimioterapia citotóxica.
A triagem de pacientes com hepatite B (VHB) deve ser considerada para pacientes de alto risco antes do início do tratamento com MabThera®.
Casos de reativação de hepatite B foram relatados muito raramente em pacientes com linfoma não-Hodgkin recebendo rituximabe em combinação com quimioterapia citotóxica.
Com base no mecanismo de ação de MabThera® e no conhecimento de que as células B têm um importante papel na manutenção da resposta imune normal, os pacientes podem ter maior risco de infecção após a terapia com MabThera®. Não administrar a pacientes com infecção ativa ou severamente imunocomprometidos (por exemplo, quando os níveis de CD4 ou CD8 estiverem muito baixos). Os médicos devem ter cautela quando considerarem o uso de MabThera® em pacientes com história de infecção recorrente ou crônica ou em pacientes predispostos a infecções graves (Vide item "Reações adversas"). Os pacientes que desenvolverem infecção após o tratamento com MabThera® devem ser prontamente avaliados e tratados apropriadamente.
Leucoencefalopatia multifocal progressiva
Foram relatados casos de leucoencefalopatia multifocal progressiva durante uso de MabThera® em LNH. A maioria dos pacientes havia recebido MabThera® em combinação com quimioterapia ou como parte de um transplante de células-tronco hematopoéticas. Médicos que tratam pacientes com linfoma não Hodgkin devem considerar o diagnóstico diferencial de LMP em pacientes com sintomas neurológicos, e a avaliação de um neurologista deve ser considerada quando clinicamente indicada.
Imunização
A segurança de imunização com vacinas de vírus vivos, após tratamento com MabThera®, não foi estudada. Portanto, a vacinação com vírus vivos não é recomendada durante a terapia com MabThera® ou enquanto houver depleção periférica de células B.
Pacientes tratados com MabThera®podem receber vacinas não vivas. No entanto, as porcentagens de resposta a vacinas não vivas podem ser reduzidas. Em um estudo não randomizado, os pacientes com recidiva de LNH de baixo grau que receberam MabThera®em monoterapia tiveram uma porcentagem de resposta menor à vacinação com antígeno de memória do tétano (16% versus 81%) e ao neoantígenoKeyhole Limpet Haemocyanin(KLH), quando comparados com controles saudáveis não tratados (4% versus 69%, quando avaliados para aumento >2 vezes dos títulos de anticorpos).
Títulos médios pré-tratamento de anticorpos contra uma bateria de antígenos (Streptococcus pneumoniae, influenzaA, caxumba, rubéola, varicela) foram mantidos durante pelo menos 6 meses após o tratamento com MabThera®.
Pacientes com AR
Reações relacionadas à infusão (IRR)
MabThera®
pode desencadear IRR que podem ser relacionadas à liberação de citocinas e/ou outros mediadores químicos. A pré-medicação com glicocorticoide IV reduz significativamente a incidência e a severidade desses eventos (Vide item "Reações adversas").
A maioria das IRR relatadas foi de intensidade leve a moderada. Sintomas mais comuns: cefaleia, prurido, irritação de garganta, rubor, erupção cutânea, urticária, hipertensão e pirexia. No geral, a proporção de pacientes que apresentou alguma reação à infusão foi maior depois da 1ª infusão de qualquer curso de tratamento que após a 2ª infusão. Infusões subsequentes foram mais bem toleradas que a infusão inicial. Menos de 1% dos pacientes apresentou IRRs graves (a maioria durante a 1ª infusão do 1° curso - Vide item "Reações Adversas"). As reações foram geralmente reversíveis após redução da velocidade ou interrupção da infusão e com a administração de antipirético, anti-histamínico e, ocasionalmente, oxigênio, solução salina ou broncodilatadores e glicocorticoides IV. Na maioria dos casos, a infusão pode ser reiniciada com 50% de redução da velocidade (exemplo, de 100 mg/h para 50 mg/h), quando os sintomas estiverem completamente resolvidos.
Epinefrina, anti-histamínicos e glicocorticoides devem estar disponíveis para tratamento imediato de reações de hipersensibilidade no evento de reação alérgica durante a administração de MabThera®.
Considere a suspensão da medicação anti-hipertensiva12horas antes da infusãodeMabThera® pois pode ocorrer hipotensão durante a infusão.
Angina pectorisou arritmias cardíacas (fluttere fibrilação atrial), insuficiência cardíaca ou infarto do miocárdio já ocorreram em pacientes com linfoma não-Hodgkin tratados com MabThera®.Portanto, pacientes com história de doenças cardíacas devem ser estritamente monitorados durante a infusão.
Infecções
Devido ao mecanismo de ação de MabThera® e sabendo-se que as células B têm importante papel na manutenção da resposta imune normal, pode haver maior risco de infecção após terapia com MabThera®, o qual não deve ser administrado a pacientes com infecção ativa ou imunocomprometidos (com níveis de CD4 ou CD8 muito baixos). Cautela, ao usar MabThera® em pacientes com infecção recorrente ou crônica ou predispostos a infecções graves (Vide item "Reações adversas"). Pacientes que desenvolverem infecção após MabThera® devem ser prontamente avaliados e tratados apropriadamente.
Reativação de hepatite B foi relatada muito raramente em pacientes com linfoma não Hodgkin em uso de RTX combinado a quimioterapia citotóxica (Vide item "Precauções e advertências").
Casos de reativação de hepatite B foram relatados em artrite reumatóide.
Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva
Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva (LMP) fatal foi relatada em pacientes que receberam MabThera® para tratamento de doenças autoimunes, incluindo AR. Alguns, mas não todos os casos relatados, apresentavam fatores de risco potenciais para LMP, como doença subjacente, terapia imunossupressora de longo prazo ou quimioterapia. LMP também já foi relatada em pacientes com doenças autoimunes não tratados com MabThera®. LMP deve ser considerada no diagnóstico diferencial em pacientes com sintomas neurológicos, e a avaliação por um neurologista deve ser considerada.
A eficácia e segurança de MabThera® em outras doenças autoimunes, com exceção dereumatóide AR, não foram estabelecidas.
Imunização
Antes de iniciar MabThera®, rever a situação vacinal do paciente e seguir as orientações atuais de imunização. A vacinação deve estar completa ao menos 4 semanas antes da primeira administração de MabThera®.
A segurança da imunização com vacinas virais vivas depois de MabThera®não foi estudada. Portanto, a vacinação com vacinas de vírus vivos não é recomendada durante a terapia com MabThera® ou enquanto houver depleção periférica de células B.
Pacientes tratados com MabThera® podem receber vacinas não-vivas, mas as taxas de resposta podem ser reduzidas. Em um estudo randomizado, pacientes com AR tratados com MabThera® e MTX tiveram taxas de resposta comparáveis à vacina contra tétano (39% versus42%), mas taxas reduzidas para vacina pneumocócica (43% versus82%, a pelo menos 2 sorotipos de anticorpo pneumocócico) e neoantígeno KLH (47% versus93%), quando administradas pelo menos 6 meses após o tratamento com MabThera® vspacientes que receberam apenas MTX. Se houver necessidade de imunização com vacinas não vivas, enquanto o paciente estiver recebendo MabThera®, essas devem estar completas pelo menos 4 semanas antes do início do curso seguinte de tratamento com MabThera®.
Na experiência global de MabThera®, a proporção de pacientes com títulos positivos de anticorpos contra S. pneumoniae, influenza, caxumba, rubéola, varicela e toxoide tetânico, após repetição do tratamento no período de um ano, foi no geral semelhante às proporções no início do estudo.
Pacientes não previamente tratados com metotrexato
MabThera® não é recomendado em pacientes MTX-naive, visto que uma relação favorável do risco benefício não foi estabelecida.
Gravidez e lactação
Categoria de risco na gravidez: C.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Não é conhecido se MabThera®pode provocar riscos ao feto quando administrado a gestantes em função da passagem das imunoglobulinas IgG pela barreira placentária ou se afeta a capacidade de reprodução.
Mulheres em idade fértil deverão usar métodos contraceptivos eficazes durante o tratamento e por até 12 meses após o uso de MabThera®.
Estudos de toxicidade para o desenvolvimento em macacos não revelaram evidência de embriotoxicidade intrauterina, mas as crias recém-nascidas de matrizes expostas a MabThera® apresentavam depleção de células B na fase pós-natal. Os níveis de células B em neonatos humanos, após exposição materna a MabThera®, não foram estudados nos estudos clínicos.
Não há dados adequados e bem controlados de estudos em gestantes. No entanto, depleção transitória de células B e linfocitopenia foram relatadas em algumas crianças nascidas de mães expostas a RTX durante a gravidez. Por isso, MabThera®não deve ser administrado a gestantes, a não ser que os eventuais benefícios superem os riscos potenciais.
Uso durante a lactação
Não se sabe se MabThera®é excretado pelo leite materno. Porém, considerando-se que as IgG maternas passam para o leite materno, MabThera®não deve ser administrado a mulheres lactantes.
Pacientes idosos
Os dados sugerem que a disponibilidade de MabThera®não se altera em função da idade. Nos estudos clínicos, os pacientes idosos não receberam doses reduzidas de MabThera®.
Uso pediátrico
A segurança e eficácia de MabThera®em pacientes pediátricos ainda não foram estabelecidas.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas
Não foram realizados estudos sobre os efeitos de MabThera ®na habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas, porém, a atividade farmacológica e os eventos adversos relatados até o momento não indicam que esses eventos devam ser esperados.
Até o momento, não há informações de que MabThera®possa causar doping.

Resultados de eficácia

1) Linfoma não Hodgkin (LNH) de baixo grau ou folicular
Monoterapia
Tratamento inicial, semanal, em 4 doses:
No estudo pivotal, 166 pacientes com LNH de baixo grau ou folicular de células B, recidivado ou resistente à quimioterapia, receberam quatro doses de 375 mg/m2 de MabThera®em infusão IV, 1 vez por semana. A taxa de resposta global (TRG) na população ITT (intenção de tratamento) foi de 48% (IC95%41% - 56%), com 6% de respostas completas (RC) e 42% de respostas parciais (RP). A mediana projetada do tempo para progressão da doença nos pacientes responsivos foi de 13,0 meses.
Em uma análise de subgrupo, a TRG foi maior em pacientes com subtipos histológicos da "International Working Formulation" B, C e D comparada com o subtipo A (58% versus12%); foi maior em pacientes cuja maior lesão era < 5 cm versus>7 cm no seu maior diâmetro (53% versus38%) e foi maior em pacientes que apresentaram recidiva quimiossensível versusrecidiva quimiorresistente (definida como duração de resposta < 3 meses) (50% versus22%). A TRG em pacientes previamente tratados com transplante de medula óssea autóloga foi de 78%, contra 43% em pacientes não submetidos à transplante de medula óssea autóloga. Idade, sexo, graudo linfomadiagnóstico inicial, presença ou ausência de doença volumosa, HDL alto ou baixo, ou presença de doença extra-nodal, não apresentaram efeito estatisticamente significativo sobre a resposta ao MabThera®.
Relação estatisticamente significativa foi encontrada entre taxas de resposta e comprometimento da medula óssea. Quarenta por cento dos pacientes com comprometimento da medula óssea responderam, em comparação a 59% dos pacientes sem comprometimento da medula óssea (p=0,0186). Esse achado não foi suportado por uma análise de regressão logística passo a passo, na qual os seguintes fatores foram identificados como prognósticos: tipo histológico, positividade bcl-2 no quadro inicial, resistência à última quimioterapia e doença volumosa.
Tratamento inicial, semanal, em 8 doses:
Em um estudo multicêntrico, de braço único, 37 pacientes com LNH de células B, baixo grau ou folicular, recidivado ou resistente à quimioterapia, receberam 8 doses de 375 mg/m2 de MabThera®em infusão IV, uma vez por semana. A TRG foi 57% (IC 95%41% - 73%; RC 14%, RP 43%), com uma mediana projetada do tempo até a progressão da doença de 19,4 meses (variando de 5,3 até 38,9 meses).
Doença volumosa, tratamento inicial, semanal, em 4 doses:
Em dados compilados de três estudos, 39 pacientes com LNH de células B, baixo grau ou folicular, com doença volumosa (lesão única ? 10 cm de diâmetro), recidivado ou resistente à quimioterapia, receberam 4 doses de 375 mg/m2 de MabThera ®em infusão IV, uma vez por semana. A TRG foi 36% (IC95% 21% - 51%, RC 3%, RP 33%) com a mediana do tempo até a progressão da doença de 9,6 meses (variando de 4,5 até 26,8 meses).
Retratamento, semanal, em 4 doses:
Em um estudo multicêntrico, de braço único, 58 pacientes com LNH de células B, baixo grau ou folicular, recidivado ou resistente à quimioterapia, que haviam apresentado resposta objetiva a um tratamento anterior com MabThera®, foram novamente tratados com 4 doses de 375 mg/m2 de MabThera ®em infusão IV, uma vez por semana. Três desses pacientes já haviam recebido 2 ciclos anteriores de MabThera®antes do estudo; receberam, portanto o terceiro já após a inclusão. Dois pacientes foram retratados duas vezes durante o estudo. Para os 60 re-tratamentos, a TRG foi 38% (IC95% 26% - 51%; RC 10%; e RP 28%), com uma mediana projetada do tempo para progressão da doença de 17,8 meses (variando de 5,4 até 26,6). Esse dado é comparado favoravelmente com o tempo de 12,4 meses até a progressão da doença obtido após o primeiro tratamento com MabThera®.
Em associação à quimioterapia
Tratamento inicial:
Em um estudo randomizado, aberto, 322 pacientes com linfoma folicular sem tratamento prévio foram randomizados para receber quimioterapia CVP (ciclofosfamida 750 mg/m2, vincristina 1,4 mg/m2 até o máximo de 2 mg no dia 1 e prednisolona 40 mg/m2/dia nos dias 1 a 5) a cada três semanas, por 8 ciclos, ou MabThera®375 mg/m2 associado com CVP (R-CVP). MabThera®foi administrado no primeiro dia de cada ciclo de tratamento. No total, 321 pacientes (162 R-CVP, 159 CVP) receberam o tratamento e foram analisados quanto à eficácia.
O tempo mediano de acompanhamento foi de 53 meses. O R-CVP levou a benefícios significativos em comparação com CVP em relação ao desfecho primário, tempo para falha do tratamento (27 meses versus 6,6 meses, p < 0,0001, teste log-rank). A proporção de pacientes com resposta tumoral (RC, RC não confirmada, RP) foi significantemente maior (p < 0,0001 teste do Qui-quadrado) no grupo R-CVP (80,9%) que no grupo CVP (57,2%). O tratamento com R-CVP, comparado ao CVP, prolongou significativamente o tempo até a progressão da doença ou óbito em 33,6 meses e 14,7 meses, respectivamente. A duração mediana da resposta foi de 37,7 meses no grupo R-CVP e de 13,5 meses no grupo CVP (p < 0,0001, teste log-rank). A diferença entre os grupos de tratamento em relação à sobrevida global mostrou um forte benefício clínico (p= 0,029, teste log-rank estratificado por centro de estudo): a porcentagem de sobrevida em 53 meses foi de 80,9% para pacientes no grupo R-CVP comparada a 71,1% para pacientes no grupo CVP.
Os resultados de outros estudos clínicos randomizados, usando MabThera®em combinação com outros regimes de quimioterapia, além do CVP, também demonstraram melhorias significativas nas taxas de resposta, nos parâmetros dependentes do tempo e sobrevida global. Os principais resultados dos estudos estão resumidos na Tabela 1, a seguir.

Terapia de manutenção
Em um estudo prospectivo, aberto, internacional, multicêntrico, Fase lll, 465 pacientes com LNH folicular recidivado/ refratário foram randomizados em uma primeira etapa para terapia de indução com CHOP (ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina, prednisolonan=231) ou com MabThera® mais CHOP (R-CHOP, n=234). Os dois grupos de tratamento foram corretamente equilibrados em relação às características basais e status da doença. Um total de 334 pacientes alcançaram remissão completa ou parcial na fase de indução e foram randomizados em uma segunda etapa para o tratamento de manutenção com MabThera® (n = 167) ou observação (n = 167). O tratamento de manutenção com MabThera® consistiu em uma infusão simples de MabThera® na dose de 375 mg/m2 de superfície corpórea fornecida a cada 3 meses, até a progressão da doença, ou por um período máximo de 2 anos.
A análise final da eficácia incluiu todos os pacientes randomizados para ambas as fases do estudo.
Após o tempo mediano de observação de 31 meses para pacientes randomizados na fase de indução, R-CHOP melhorou significativamente o resultado em pacientes com LNH folicular recidivado/refratário, quando comparado com o CHOP (Tabela 2).

Em pacientes randomizados para a fase de manutenção do estudo, o tempo mediano de observação foi de 28 meses, a partir da randomização para manutenção. O tratamento de manutenção com MabThera® conduziu a uma melhora clinicamente relevante e estaticamente significativa no endpoint primário, a SLP, (tempo desde a randomização para manutenção até a recidiva, progressão da doença ou óbito), quando comparado somente com a observação (p < 0,0001 teste log-rank). A mediana da SLP foi 42,2 meses no braço manutenção com MabThera® em comparação com 14,3 meses no braço observação. Usando uma análise de regressão de Cox, o risco de ocorrer progressão da doença ou óbito foi reduzido em 61% no grupo de tratamento manutenção com MabThera® quando comparado com a observação (IC95%; 45%-72%). As taxas livres de progressão em 12 meses estimadas por Kaplan-Meier foram de 78% no grupo de manutenção com MabThera® versus57% no grupo observação. A análise da sobrevida global confirmou um benefício significativo da manutenção com MabThera® sobre a observação (p = 0,0039 teste log-rank). A manutenção com MabThera®reduziu o risco de morte em 56% (IC 95%; 22%-75%).
O tempo mediano para um novo tratamento contra o linfoma foi significativamente mais longo no tratamento de manutenção com MabThera® comparado com a observação (38,8 meses versus20,1 meses, p < 0,0001 teste log-rank). A probabilidade de iniciar um novo tratamento foi reduzida em 50% (IC 95%; 30%-64%). Em pacientes que atingiram uma RC/RCnão-confirmada (resposta completa/resposta completa não confirmada) como a melhor resposta durante o tratamento de indução, o tratamento de manutenção com MabThera® prolongou significativamente a mediana de sobrevida livre de doença (SLD), comparada com o grupo observação (53,7 versus 16,5 meses, p = 0,0003) teste log-rank(Tabela 3). O risco de recidiva em pacientes com respostas completas foi reduzido em 67% (IC 95%; 39%-82%).

O benefício do tratamento de manutenção com MabThera® foi confirmado em todos os subgrupos analisados, independentemente do regime de indução (CHOP ou R-CHOP) ou da qualidade da resposta para o tratamento de indução (RC ou RP) (Tabela 3). Prolongou também significativamente a mediana da SLP em pacientes respondedores à terapia de indução com CHOP (SLP mediana 37,5 meses versus11,6 meses, p < 0,0001), bem como nos pacientes que responderam à indução com R-CHOP (mediana da SLP 51,9 meses versus22,1 meses, p < 0,0071). MabThera® promoveu benefícios clinicamente significativos em sobrevida global, para ambos os pacientes que responderam à terapia CHOP e R-CHOP na fase de indução do estudo.
O tratamento de manutenção com MabThera® promoveu benefícios consistentes em todos os subgrupos testados [gênero (masculino, feminino)], idade (? 60 anos, >60 anos), estágio (III, IV), performance status OMS(0 versus>0), sintomas B (ausentes, presentes), infiltração da medula óssea (não versussim), IPI (0-2 versus? 3-5), escore FLIPI (0-1, versus2 versus3-5), número de sítios extranodais (0-1 versus>1), número de sítios nodais ( < 5 versus? 5), número de regimes prévios (1 versus2), melhor resposta à terapia prévia (RC/RP versusNC/DP), hemoglobina ( < 12 g/dL versus? 12 g/dL), b2 microglobulina ( < 3 mg/L versus? 3 mg/L), DHL (elevado, não elevado) exceto para um pequeno grupo de pacientes com doença volumosa.
2.Linfoma não Hodgkin difuso de grandes células B
Em um estudo randomizado, aberto, 399 pacientes idosos (idade de 60 a 80 anos) com LNH difuso de grandes células, sem tratamento prévio, receberam a quimioterapia padrão CHOP (ciclofosfamida 750 mg/m2, doxorrubicina 50 mg/m2, vincristina 1,4 mg/m2 até o máximo de 2 mg no dia 1 e prednisolona 40 mg/m2/dia, nos dias 1 a 5), a cada três semanas, por 8 ciclos, ou MabThera®+ CHOP (R-CHOP). MabThera®foi administrado no primeiro dia de cada ciclo.
A análise de eficácia incluiu todos os pacientes randomizados (197 CHOP, 202 R-CHOP), com acompanhamento mediano de 31 meses de duração. Os dois grupos de tratamento foram bem balanceados nas suas características basais e status da doença. A análise final confirmou que o R-CHOP aumenta significativamente a duração de sobrevida livre de eventos (o parâmetro primário de eficácia, no qual eventos considerados foram: óbito, recidiva, progressão do linfoma ou instituição de novo tratamento contra o linfoma) (p = 0,0001). Pelo método de Kaplan-Meier, a estimativa mediana da duração da sobrevida livre de eventos foi de 35 meses no braço R-CHOP, comparada a 13 meses no braço CHOP(redução de risco de 41%). Aos 24 meses, a estimativa para sobrevida global foi de 68,2% no braço R-CHOP, comparada a 57,4% no braço CHOP. Uma análise da sobrevida global, realizada com tempo de seguimento médio de 60 meses de duração, confirmou os benefícios do R-CHOP sobre o tratamento com CHOP (p = 0,0071), representando uma redução de risco de 32%.
A análise de todos os parâmetros secundários (taxa de resposta, sobrevida livre de progressão, sobrevida livre de doença, duração da resposta) comprovou o efeito do tratamento com R-CHOP comparado ao CHOP. A taxa de resposta completa após o ciclo 8 foi de 76,2% no grupo R-CHOP e 64,2% no grupo CHOP (p = 0,028). O risco de progressão da doença foi reduzido em 46%, e o risco de recaída, em 51%.
Em todos os subgrupos de pacientes (sexo, idade, IPI ajustado à idade, estágio de Ann Arbor, ECOG, b2 Microglobulina, DHL, Albumina, sintomas B, doença volumosa, sítios extranodais, comprometimento da medula óssea), as taxas de risco para sobrevida livre de eventos e sobrevida global (R-CHOP comparado ao CHOP) foram menor que 0,83 e 0,9, respectivamente. R-CHOP associou-se a melhora no resultado para pacientes com alto ou baixo risco, de acordo com o IPI ajustado por idade.
3. Artrite reumatoide
A eficácia e a segurança de MabThera® em aliviar os sinais e sintomas da artrite reumatóide foram demonstradas em três estudos randomizados, controlados, duplo-cegos e multicêntricos.
O Estudo 1 foi um estudo duplo-cego, comparativo que incluiu 517 pacientes quetinham apresentado uma resposta inadequada ou intolerância a um ou mais inibidores de TNF. Os pacientes elegíveis tinham artrite reumatóide ativa grave, diagnosticada de acordo com os critérios do American College of Reumatology (ACR).O desfecho primário foi a proporção de pacientes que alcançaram uma resposta ACR20 na semana 24. Os pacientes receberam 2 x 1000 mg de MabThera®, cada uma precedida por 100 mg de metilprednisolona IV e separadas por um intervalo de 15 dias. Todos os pacientes receberam concomitantemente metotrexato oral (10-25 mg/semana) e 60 mg de prednisolona oral nos dias 2-7 e 30 mg nos dias 8-14 após a primeira infusão. Os pacientes foram acompanhados além da semana 24 em relação aos desfechos tardios, incluindo avaliação radiográfica em 56 semanas. Durante este período os pacientes poderiam ter recebido outros cursos de rituximabe durante um prolongamento aberto do protocolo de estudo.
O Estudo 2 foi um estudo randomizado, duplo-cego, placebo-controlado, multicêntrico que comparou duas doses diferentes de rituximabe administradas com ou sem um dos dois regimes de corticosteróide pré-infusional em combinação com metotrexato semanal em pacientes com artrite reumatóide ativa que não responderam ao tratamento com 1- 5 outros DMARDs.
O Estudo 3 foi um estudo duplo-cego que avaliou a monoterapia com rituximabe e rituximabe em combinação com ciclofosfamida ou metotrexato, em pacientes com artrite reumatóide ativa que não responderam a um ou mais DMARDs anteriores.
O grupo de comparação em todos os três estudos recebeu metotrexato semanal (10-25 mg/semana).
Resultados de Atividade da Doença
Nos três estudos, a proporção de pacientes que alcançou uma melhora de pelo menos 20% no escore ACR foi significativamente maior após rituximabe (2 x 1000 mg) em comparação com pacientes tratados com metotrexato apenas (Tabela 4). Em todos os estudos de desenvolvimento, o benefício do tratamento foi similar em todos os pacientes, independentemente de idade, sexo, superfície corporal, raça, número de tratamentos anteriores ou status do fator reumatóide.
Uma melhora clínica e estatisticamente significativa também foi notada em todos os componentes individuais da resposta ACR número de articulações dolorosas e edemaciadas, avaliação global do paciente e médico, escore do índice de incapacidade (HAQ), avaliação da dor e PCR (mg/dL).

No Estudo 3, a resposta ACR20 em pacientes tratados apenas com rituximabe foi de 65% comparado com 38% tratados apenas com metotrexato (p = 0,025).
Os pacientes tratados com MabThera®tiveram uma redução significativamente maior no escorede atividade da doença (DAS28) do que os pacientes tratados apenas com metotrexato. Resposta EULAR boa e moderada foi alcançada por um número significativamente maior de pacientes tratados com rituximabe em comparação com pacientes tratados com metotrexato apenas (Tabela 5).

Resposta Radiográfica
No estudo 1, conduzido em pacientes com resposta inadequada ou intolerância a uma ou mais terapias com inibidores de TNF, o dano estrutural na articulação foi avaliado radiograficamente através de alteração no escore total de Sharp modificado por Genant e nos seus componentes (escore de erosão e de estreitamento do espaço articular). Em 56 semanas, pacientes que receberam rituximabeem combinação com metotrexato demonstraram uma redução significativa da progressão radiográfica quando comparados com pacientes que receberam apenas metotrexato. Maior proporção de pacientes que receberam MabThera®também não apresentou progressão da erosão após 56 semanas.

Resultados de Qualidade de Vida
Os pacientes tratados com MabThera®apresentaram uma melhora em todos os resultados (Questionários HAQ-DI, FACIT-Fadiga e SF-36). Reduções significativas no índice de invalidez (HAQ-DI), fadiga (FACIT-Fadiga) e melhora do domínio físico do SF-36 foram observadas em pacientes tratados com MabThera® comparados aos pacientes tratados apenas com metotrexato.


Na semana 24, em todos os três estudos, a proporção de pacientes que apresentaram uma melhora clinicamente relevante no HAQ-DI (definido como uma diminuição da contagem individual total >0.25) foi maior nos pacientes tratados com rituximabe do que entre os pacientes que receberam metotrexato em monoterapia.
Avaliações laboratoriais
Cerca de 10% dos pacientes com AR apresentaram HACA positivo nos estudos clínicos. A emergência de HACA não se associou a piora clínica ou maior risco de reações infusionais na maioria dos pacientes.
A presença de HACA pode estar associada à piora das reações à infusão ou alérgicas após a 2ª infusão de cursos subsequentes. Raramente observou-se falha na depleção de células B após cursos adicionais do tratamento.
Em pacientes com fator reumatóide positivo (FR+), observou-se diminuições acentuadas nas concentrações do FR, após tratamento com RTX nos três estudos (intervalo de 45 - 64%, figura 1).

No geral, as concentrações plasmáticas totais de imunoglobulina (Ig), o número total de linfócitos e leucócitos permaneceram dentro dos limites normais após tratamento com MabThera®, com exceção de queda transitória de leucócitos nas primeiras 4 semanas após o tratamento. Títulos IgG específicos para caxumba, rubéola, varicela, toxoide tetânico, influenza e Streptococcus pneumoniae permaneceram estáveis nas 24 semanas após exposição a MabThera® em pacientes com AR.
Os efeitos do RTX nos diversos biomarcadores foram avaliados em um subestudo que avaliou o impacto de um único curso de RTX nos níveis dos marcadores bioquímicos, incluindo marcadores de inflamação (interleucina 6, proteína C reativa, amiloide sérico A, proteína S100 isotipos A8 e A9), autoanticorpos (FR e anti-CCP) e marcadores de remodelação óssea [osteocalcina e peptídeo terminal procolágeno 1 N (P1N1)]. O tratamento com RTX, em monoterapia ou em combinação com MTX ou ciclofosfamida, reduziu significativamente os níveis dos marcadores inflamatórios vsMTX em monoterapia nas primeiras 24 semanas. Os níveis dos marcadores de renovação óssea, osteocalcina e P1NP aumentaram significativamente nos grupos RTX comparados ao MTX.
Retratamento
Após a conclusão do período do estudo duplo-cego, comparativo, de 24 semanas, os pacientes receberam permissão para se inscreverem em um estudo aberto, de longo prazo, de acompanhamento. Os pacientes receberam séries subseqüentes de MabThera® de acordo com a avaliação da atividade da doença pelo médico, independente da contagem de linfócitos B periféricos. O tempo de intervalo entre os cursos de tratamento foi variável, com a maioria dos pacientes recebendo terapia adicional de 6-12 meses após o curso inicial. Alguns pacientes necessitaram de retratamento com menor freqüência. A resposta ao curso adicional foi de magnitude similar à do curso de tratamento inicial, conforme evidencia a mudança do DAS 28 em relação ao valor basal (Figura 2).

Referências bibliográficas
1. Weaver R., Shen CD., Grillo-Lopez AJ.Pivotal phase III multi-center study to evaluate the safety and efficacy of once weekly times four dosing of IDEC-C2B8 (IDEC-102) in patients with relapsed low-grade or follicular B-cell lymphoma. Protocol IDEC-102-05. IDEC Clinical Study Report 102-01-04, January 15, 1997
2. McLaughlin P., Grillo-Lopez AJ., Link BK., et al. Rituximab chimeric anti-CD20 monoclonal antibody therapy for relapsed indolent lymphoma: half of patients respond to a four-dose treatment program.J Clin Oncol 1998; 16: 2825-2833
3. Weaver R., Eldredge E., Alkuzweny B.Integrated summary of efficacy and safety of rituximab, September 27, 1999.Section 3.C.4. Claimed Effect, Response Rate/Time to ProgressionIDEC Pharmaceuticals Corporation,Rituxan Biologic License Application Supplement, October 19, 1999
4. Deardorff J. Clinical Study Report 102-01-06. A phase II multi-center study to evaluate the safety and efficacy of once weekly times eight dosing of rituximab (Rituxan, IDEC-C2B8) in patients with relapsed low-grade or follicular B-cell lymphoma, December 23, 1997
5. Piro LD., White CA., Grillo-Lopez AJ., et al.Extended rituximab (anti-CD20 monoclonal antibody) therapy for relapsed or refractory low-grade or follicular non-Hodgkin's lymphoma.Ann Oncol, 2000; 10: 655-661
6. Weaver R., Eldredge E., Alkuzweny B.Integrated summary of efficacy and safety of rituximab, September 27, 1999.Section 3.A.4. Claimed effect, response rate/time to progressionIDEC Pharmaceuticals Corporation,Rituxan Biologic License Application Supplement, October 19, 1999
7. Weaver R., Eldredge E., Alkuzweny B. Integrated Summary of Efficacy and Safety of Rituximab,September 27, 1999.Section 3.B.3. Claimed Effect, Response Rate/Time to ProgressionIDEC Pharmaceuticals Corporation,Rituxan Biologic License Application Supplement, October 19, 1999
8. Weaver R. Clinical Study Report 102-01-10. Phase II multi-center study to evaluate the safety and efficacy of once weekly times four dosing of Rituxan (IDEC-102) in selected patients with low-grade or follicular B-cell lymphoma (re-treatment), Protocol IDEC-102-08-R, March 22, 1999
9. Davis TA., Grillo-Lopez AJ., White CA., et al.Rituximab anti-CD20 monoclonal antibody therapy in non-Hodgkin's lymphoma: safety and efficacy of re-treatment.J Clin Oncol 2000; 18: 3135-3143
10. Uduehi A., et al. Clinical Safety Study Report Protocol M39021. An OL, randomized, MC, phase III trial comparing CVP and MabThera/Rituxan to standard CVP chemotherapy, in patients with previously untreated CD20 positive follicular lymphoma (Stage III-IV).Research Report 1010371, December 22, 2003
11. Strausak D., et al. Clinical Study Report - Second Annual Update, Protocol M39021 - An open-label, randomized, multi-center study comparing standard cyclophosphamide, vincristine, prednisolone (CVP) chemotherapy with rituximab plus CVP (R-CVP) in patients with previously untreated CD 20-positive follicular lymphoma (stage III-IV). Research Report No. 1018034, August, 2005.
12. Strausak D. et al. Chimeric anti-CD20 monoclonal antibody (MabThera) in remission induction and maintenance treatment of relapsed follicular non-Hodgkin's lymphoma: a phase III randomized clinical trial - Intergroup Collaborative Study (EORTC 20981). Research Report No. 1016350, December, 2005.
13. MabThera/Rituxan (rituximab). Applicant's consolidated response to issues.
14. Butcher RD. Final clinical study report - Protocol LNH-98-5 / BO 16368. Randomized trial comparing CHOP with CHOP + Rituximab in elderly patients with previously untreated large B-cell lymphoma - A Study from the GELA.Research Report 1006234, February, 2003
15. Strausak D., et al. Clinical Study Report - 5-year survival update for study BO16368 / LNH98-5 (GELA). A randomized trial comparing CHOP with CHOP + rituximab in elderly patients with previously untreated large B-cell lymphoma. Research Report No. 1016792, December, 2004.
16. Cohen SB, Emery P, Greenwald MW et al(REFLEX Trial Group). Rituximab for Rheumatoid Arthritis Refractory to Anti-Tumor Necrosis Factor Therapy - Results of a Multicenter, Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled, Phase III Trial Evaluating Primary Efficacy and Safety at Twenty-Four Weeks. Arthritis & Rheumatism2006;54(9): 2793-2806.
17. Emery P, Fleischmann R, Filipowicz-Sosnowska A, et al(DANCER Study Group). The Efficacy and Safety of Rituximab in Patients With Active Rheumatoid Arthritis Despite Methotrexate Treatment - Results of a Phase IIb Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled, Dose-Ranging Trial. Arthritis & Rheumatism2006;54(5):1390-1400.
18. Edwards JCW, Szczepánski L, Szechinski J et al. Efficacy of B-Cell-Targeted Therapy With Rituximab in Patients With Rheumatoid Arthritis. The New England Journal of Medicine2004, 350(25): 2572-2581.

Interação com outros medicamentos

Os dados sobre possíveis interações medicamentosas comMabThera® são limitados até o momento.
Administração concomitante de MTX não tem efeito na farmacocinética de MabThera® em pacientes com AR.
MabThera® não interage com alimentos.
Durante o tratamento, o paciente poderá apresentar alterações no hemograma.
Pacientes que desenvolvem anticorpos humanos anticamundongo (HAMA) ou anticorpos humanos antiquiméricos (HACA) poderão desenvolver reações alérgicas ou de hipersensibilidade quando utilizarem outros anticorpos monoclonais.
No programa de estudos clínicos em AR, dos 373 pacientes tratados com MabThera® 240 receberam um biológico após MabThera®. Nesses pacientes, a taxa de infecções clinicamente significante, durante o tratamento com MabThera® (antes de receber um biológico), foi de 6,1 por 100 pacientes/ano vs4,9 por 100 pacientes/ano após tratamento subsequente com um biológico.

Cuidado de armazenamento

MabThera®deve ser conservado sob refrigeração (entre 2° e 8° C). Manter os frascos dentro do cartucho para proteger da luz.
A solução pronta para infusão deve ser usada imediatamente. Caso não seja usada imediatamente, o prazo de armazenamento e condições pré-utilização são de responsabilidade do usuário e não devem ultrapassar 24 horas entre 2° e 8 °C, a menos que a diluição tenha sido realizada sob condições assépticas controladas e validadas.
Prazo de validade
Este medicamento possui prazo de validade de 30 meses a partir da data de fabricação.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
Descarte de medicamentos não utilizados e/ou com data de validade vencida
O descarte de medicamentos no meio ambiente deve ser minimizado. Os medicamentos não devem ser desprezados no esgoto e o descarte em lixo doméstico deve ser evitado. Descarte conforme orientações disponíveis no sistema de coleta local.
Após preparo, manter entre 2° e 8 °Cpor 24 horas.
MabThera®
é um líquido límpido e incolor, fornecido em frascos estéreis, sem conservantes, de dose única, não pirogênicos.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Indicado para o tratamento de:

Publicidade

iVademecum © 2016 - 2019.

Politica de Privacidade
Disponible en Google Play